Curta a página no facebook

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

A morbidez do viver


Alguns nascem fazendeiros, donos de muitas terras. Outros nascem para ser enterrados em covas rasas, de terra seca, onde não brotará uma flor. Onde mal apodrecem são despejados para dar lugar a outro miserável, defunto de mais fresca data. Já os primeiros, habitarão mausoléus em mármore e granito, com vasos e anjos de bronze, e por fim... Apodrecerão do mesmo jeito.
Uns viajam o mundo, relaxando nos confortos da primeira classe, enquanto tantos vivem em sarjetas e marquises disputadas os  palmos, a tapas...
Uns fumam havanas e cachimbos esculpidos em madeiras nobres, outros catam bitucas de cigarro às beiras das calçadas e fumam crack em latas de alumínio idem.
Uns sonham com grifes finas e enormes brilhantes, luxos que enchem os olhos, outros com um bom bife e um refrigerante, luxos que enchem barriga.
Perdulários e pedintes, Pin-ups e Piriguetes, o podre de rico e o que apodrece. Sem sonhos, sem justiça, sem chance.


Foto - Djair - Ruínas de templo romano em Évora - Portugal.

10 comentários:

  1. Ah, gostei... Meio panfletário, é certo, mas por que não ser?

    Lembro sempre de João Cabral: só na morte é que o pobre encontra "a parte que lhe cabe neste latifúndio" e olha lá (lembro o caso Zezinho de querer esvaziar a tumba da Dinha e do próprio pai para vender o lote). E lembro também do comentário sarcástico do Machado de Assis: há os que têm muitos jantares e pouco apetite e os que têm muito apetite e poucos jantares.

    ResponderExcluir
  2. Vivemos em uma sociedade mórbida,controversa.Tão desigual,tão injusta,tão conflituosa..
    A podridão da alma,realmente,é mais sórdida,cruel e mal cheirosa do que a podridão da matéria.Sim!Há um mal cheiro exalando em nosso meio.

    Texto para refletir..

    Beijão,Djair!Dani.

    ResponderExcluir
  3. Uma verdade é que todos um dia morreremos...
    Uns morrem mais cedo, outros mais tarde.
    Às vezes, aquele que nos faz sentir falta vão mais cedo e, aquele que não nos faz nenhuma falta, vive igual uma tartaruga dos Galápagos.
    Mas vivendo bem ou não tão bem, possuíndo o que quer ou não tendo nada, o MELHOR é perceber e poder olhar para os lados e ver a insignificância do homem: a morte chega a todos.
    A vaquinha ou a galinha chora diante da morte. Ela percebem o dia em que irá morrer. O dia em que o caminhão virá buscá-la para uma viagem sem retorno ao matadouro.
    O homem, ser superior, não chora! Ri, come, bebe e se diverte... Vive um dia após o outro como cegos... como um 'animal'.
    Onde está a saída?

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Dá para fazer uma música! Estilo Punk Rock! Dualidades...

    ResponderExcluir
  6. Bom demais o texto. Ainda mais neste mês, que as pessoas só pensam em comer e lotar lojas e dizem tem que ser assim. Verdadeira oração.

    Me fez lembrar da exumação de minha mãe. Quando enterra já agenda o mês para retirar. Do jeito que tiver desocupa. Obrigada pelo texto.

    Carminha

    ResponderExcluir
  7. Todos teremos o mesmo destino seje pobre ou rico, iremos para debaixo da terra sermos comidos pelos vermes.
    bjs
    Rita

    ResponderExcluir
  8. Lembrei-me disso...

    Esta cova em que estás com palmos medida
    É a conta menor que tiraste em vida
    É a conta menor que tiraste em vida

    É de bom tamanho nem largo nem fundo
    É a parte que te cabe deste latifúndio
    É a parte que te cabe deste latifúndio

    Não é cova grande, é cova medida
    É a terra que querias ver dividida
    É a terra que querias ver dividida

    É uma cova grande pra teu pouco defunto
    Mas estarás mais ancho que estavas no mundo
    estarás mais ancho que estavas no mundo

    É uma cova grande pra teu defunto parco
    Porém mais que no mundo te sentirás largo
    Porém mais que no mundo te sentirás largo

    É uma cova grande pra tua carne pouca
    Mas a terra dada, não se abre a boca
    É a conta menor que tiraste em vida
    É a parte que te cabe deste latifúndio
    É a terra que querias ver dividida
    Estarás mais ancho que estavas no mundo
    Mas a terra dada, não se abre a boca.

    Beijos, querido!

    ResponderExcluir
  9. Bicho, depois que morremos é a mesma coisa pra todos. Apodreceremos ou seremos queimados do mesmo jeito. Eu estou, sempre estive na categoria (outros). Bela postagem, mas minha mama ta me chamando pra almoçar, depois comento mais.

    ResponderExcluir