Curta a página no facebook

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Pisando em rastro de corno.

            Parece que “pisei em rastro de corno” - foi lá pelos 1970/80 que ouvi pela primeira vez a expressão. E nem foi no Nordeste, onde surgem tantas e tais frases e expressões jocosas a respeito dos traídos, dos enganados, dos ludibriados, dos cornos...  A expressão se refere àqueles dias ou momentos de azar, em que nada parece dar certo; a culpa de tudo então seria o corno, que teria passado por algum lugar próximo onde pisamos, e daí ter atraído a má sorte... Afinal, alguém que é corno disseminaria essa perniciosa “vibração”.
            E daí, após isto me ser explicado, vinham os variados 'causos', como o do marido que matou a mulher por ele ter dito que aquele dia tudo tinha dado errado na vida dele, que só tendo mesmo pisado no rasto de um corno da orelha bem cabeluda (e não me perguntem a relação dos pelos com os córneos que não saberei responder, ainda que me remeta ao fato de ter lido ou ouvido alguma vez que os chifres dos rinocerontes seriam formados por pelos daquele tanque de guerra). Mas voltando ao azarado em questão, a mulher dele teria respondido no ato: “Mas também homem, você fica só pra dentro e pra fora, pra dentro e pra fora... numa referência a que ele pisaria no próprio rastro, e portanto, era ele o corno em questão. Daí ele ter tomado a frase da mulher como confissão da traição e a teria matado. Se tal caso é verdadeiro, também não era o dia de sorte dela... Talvez por ter pisado no rastro do próprio marido...
            E quem não conhece um corno? Os mansos, os conscientes, abundam em cidades interioranas; aliás, reza a lenda que em Cezídia, lá pros lados do bairro dos Benicíos, um deles teria morrido de chifre, e antes que me acusem de mentiroso explico o fato, conforme me foi contado. O marido da desfrutadora (naquele tempo não se usava o termo 'pegadora') em questão era dos cornos mais mansos que já houvera por ali, consciente absoluto da cornitude; enrolava os chifres como os de um carneiro e, manso como o bicho em questão, levava a vida à calma, sem importar-se com a alegria da esposa, fazendo de conta nada saber. Um dia, eis que ao acordar pela manhã, teria dado com um enorme par de chifres de boi em cima do capô de seu carro, que trazia pichado ao vidro a expressão: “Fulano: Corno manso.” E me poupo de não citar o nome do corno, que na hora teve um ataque cardíaco fulminante e morreu, dai a cidade toda a comentar em tom de sussurro: morreu de chifre!
            Chifres, melhor não tê-los, mas em tendo, melhor não sabê-los, muito embora a literatura erótica traga noticias de cornos contumazes que sentiriam prazer em saber ou ver as esposas a ter relações com outros... Embora, a mim, seja difícil imaginar que se sinta prazer ao ver o cônjuge a fornicar com quem quer que seja, taras, gostos e manias os há de todos os tipos. Vai saber se na verdade em assim os vendo realizem as fantasias de estar no lugar delas... Tudo muito cheio de elocubrações, sensações que não se ousam revelar, interpretações equivocadas... ou não... Enfim, tudo muito esquisito, pelo menos aos gostos convencionais. E não, não vou entrar na discussão do “é normal, mas não é natural” e vice-versa ou qualquer outra semelhante.
            É óbvio quer há aqueles que não tem o cuidado necessário com seus cônjuges e os encaminham ao leito de outros, por falta de carinho, de amor, de atenção, de apetite sexual... E também os há por um fogo nas “bacurinhas” e nos “santinhos” que não são aplacados em casa. Também há a cultura do macho que tem que trair, e da mulher que tem que se vingar, e assim há traições e cornos de todo o gênero, em altos números e em graus impressionantes.
            Não há como não falar nos que tem prazer em tornar alguém corno, seja pelo desejo à mulher ou marido alheios, ou por ser justamente do outro, e ai voltamos ao capítulo das taras. Uma vez inclusive, duas conhecidas conversavam sobre uma terceira que só gostava de homens casados, e uma dizia a dar risadas: vai ver que é porque assim ela sabe que funciona.
            Há aqueles que, após uma corneada bem tomada, tomam-se de mais amor e carinho pela amada, e vai saber se não é justamente por adivinhá-la com outro. Vai saber se no fundo ele não gostaria também de estar com o outro, ou se pelo fato de ela ter outro ele se sente desprezado e só assim a valoriza, por medo de ser deixado definitivamente. Mais ou menos como o brinquedo que em criança jogamos no fundo do quintal por ter enjoado, cansado da brincadeira, por ter aquele perdido a cor, estragado uma rodinha, ou seja lá o que for... Um dia, um priminho em visita, um filho da vizinha, uma criança qualquer, entra em nosso quintal e se encanta por ele, e ai, mimados que somos, corremos, tomamos dele, e abraçamos o velho brinquedo que ali estava jogado e esquecido, e fazendo bico e cara de mau, dizemos: “É meu!”           
            Abençoados sejam os cornos; se não os houvesse, pense que grandes obras literárias teríamos perdido... “Madame Bovary”, “Ana Karenina”, “Gabriela” e quem sabe até Capitu, que não se sabe ao certo se o Dom era de fato corno, ou não, e a dúvida persiste, e por isso Casmurro. Será que se tivesse sido sanada o faria Dom Alegre? Afinal de quem eram mesmo os ciúmes: da mulher ou do amigo? De quem a traição pior? Ah, as traidoras do século XIX...
            Mas deixemos os cornos em paz, que não atravessem nossos caminhos para que não tenhamos que pisar em seus rastros. Afinal chifres, reza a lenda que até o diabo os tem.
           

15 comentários:

  1. Cáspita amigo que relato mais "corneado"eu nao entendo muito de "cornos" e nao conheço nenhum...sou contra os "cornos" dos touros que morrem na arena para alegria e felicidade de uma cambada de ignorantes e atrasados...aqui na ESPANHA nao se consegue eliminar essa prática bárbara...num referendum se a cidade queria um poledeportivo ou as festas dos touros...adivinha??? Ganharam as festas dos touros...vamos bem por aqui.
    Bom cada país tem o povo e o governo que merece...
    Beijao querido com muito carinho...Soni@

    ResponderExcluir
  2. rsrsrsrs..."desfrutadora" foi demais...rsrsrs
    mas traição é horrível né? mas é melhor não julgar...cada um sabe de si...
    bjss

    Sil

    ResponderExcluir
  3. http://www.dmdigital.com.br/novo/#!/view?e=20120817&p=5

    A institucionalização do adultério em Goiás...
    Lamentável, seu Djair.

    ResponderExcluir
  4. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Tu eh otimo
    Adoreiii

    ResponderExcluir
  5. Fazia um tempinho que não passava por aqui! Ri com as histórias e adorei o texto! E adoro Madame Bovary também!! Volta e meia volto a esse livro, numa edição que tenho desde o colégio, uma edição da Edições de Ouro, tradução sofrível...pobrezinha já está se desmilinguindo, com as páginas soltando...e agora me deu vontade de reler...vou colocá-lo aqui na fila para que logo seja revisitado! beijos, Wânia

    ResponderExcluir
  6. Tomarei mais cuidado para não pisar nos rastros. hahahahahaha
    Conheço alguns "cornos", mas não publicarei seus nomes para não dar direito a processos jurídicos.
    Parabéns! Amei a história "bem real" de chifrudos. Amei mais ainda, os mansos, como carneiros.
    Beijos Djair.

    ResponderExcluir
  7. (...) Eu também engano meu marido. Na cabeça, nos pensamentos, nos meus devaneios de todas as horas. Eu também sei mentir. Haverá diferença entre enganar com o corpo e trair só com os sonhos? Não sei. Cada um engana e trai de acordo com sua coragem, a sua disponibilidade." Da personagem Alexandra refletindo sobre as traições do marido.

    in: Em nome do pai dos burros - Sílvio Lancellotti.

    ResponderExcluir
  8. Chifre é uma questão de ponto de vista rsrsrs
    Gina Guimaraes

    ResponderExcluir
  9. Djair,
    É o que mais tem hoje em dia, se não quer pisar fique em casa kkkkkkkkkkk.
    abs.

    Roberto Tigrão

    ResponderExcluir
  10. OLá
    Menininho
    Depois dessse tempo de ausencia, acabei de ler o texto e vou te falr uma coisa tem " fulanos por ai que bem merecem ser enfeitados com belo par de chifres!!!!
    Bjs
    Menininha

    ResponderExcluir
  11. Que delícia! Lembrou-me uma do grande frasista Nelson Rodrigues: "“Corno em família não conta.”
    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Hum que delicia de texto. Ainda bem que é rastro e não sonho, se não tinha pessoas que amanheciam mortas meu Deus. O texto é bem reflexivo eta Djair. Tenho uma amiga que vive indo em suing( se escreve assim°?). E diz: saio a procura ai trocamos os pares e eu com aquela cara de freira acho o cumulo, tem gosto para tudo. Prefiro não ir. Abraços Djair belo texto.
    Carminha

    ResponderExcluir
  13. Adorei o texto. Deu muita risada, aliás toda história de corno me diverte muito. São minhas preferidas.

    ResponderExcluir
  14. Acho quase impossível andando por ai não pisar "nestes rastros"...
    Nem vou falar de você como escritor...
    Beijos

    ResponderExcluir
  15. hahaha "Pisar em rastro de corno" é ótima!!!!

    Engraçado o imaginário do povo, né? Cismam tanto com os homens traídos como se ser mulher traída fosse a coisa mais maravilhosa do mundo... E mais: há quem trate como "normal" ser mulher traída!... Oras, o cúmulo da submissão!... hehe
    Sinceramente, detesto usar expressões que depreciem os traídos, viu? Seja homem, seja mulher...
    Aqui no Rio o povo fala muito que: "Todo castigo pra corno é pouco!", como se a pessoa tivesse culpa de ser passada pra trás! Já não basta a dor de saber que quem ama o sacaneou, ainda tem que pagar pelo "pecado"?! Nélson Rodrigues é que meio que começou com isso, através da peça "Perdoa-me por me traíres". Tudo bem que o marido não era nenhuma maravilha, mas deveria caber à mulher separar-se dele e pronto! O pobre coitado ainda se auto-acusava por ela sair com osutros... Cada uma! rs
    Espero que a sua maré de azar passe logo! (Esqueça os cornos e seus rastros, por favor! hehe)
    E Capitu traiu, sim, pode crer!... Delírio de ciumento, que nada! Bentinho estava certo em desconfiar de uma mulher que tinha olhos oblíquos!... kkkkkkkkkkkkkk


    Abraços da Mary:)

    ResponderExcluir