Curta a página no facebook

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Da fragilidade das relações



“Há algo  inevitável na queda de deuses; não caem um pouco de cada vez, desmoronam abruptamente e se espatifam, mergulhando no lodaçal. É um trabalho árduo e tedioso tornar a erguê-los, mas a verdade é que nunca mais brilham como antes.” 
John Steinbeck
O Elan
A amizade se dá por um ato de afinidade, de aproximação de curiosidade pelo que o outro é. O que sente; o que vê; o que viu. Como reage às coisas, o que quer ver, provar, sentir.
A tentativa de absorver no (do) outro sensações, fantasias, sonhos, colher pensamentos e razões.
Tillandsias em flor - Foto: Djair

O congraçamento
E no intuito de se reconhecer no outro, acaba-se, por também colocarmos todas as cartas à mesa. Sem, importar, se os naipes são de fantasias, de dor, amor, alegria, tristeza, ou se trazem apenas futilidades e mimos que se cultiva sem deles apercerber-se. E assim, tenta-se manter a simbiose. Comparando vinhos, degustando filmes, provando saladas e preferindo as carnes, escondidinhos...
 O esgarçamento
Mas a mais das vezes, tudo é frágil, fugaz, neblinado. E sem que se deem conta, ou talvez porque saibam de ambos o tamanho da carga de existir, se afastam. Distanciam-se sem alarde, tentando fazer silêncio para que a fuga não seja percebida, embora na maioria essa fuga, que o silêncio acoberta, seja recíproca.
 O rompimento
O momento do “creck”, onde se dá a primeira rachadura na porcelana, onde se inicia o rompimento, a mais das vezes, não nos é dado perceber com clareza. Pequeninas coisas, um gesto rude, uma palavra dita em tom de escárnio, um abuso na confiança, atos sutis... Um pequeno ciúme despertado por uma amizade outra, um descaso com algo que para o outro tem grande importância, uma piada feita na hora errada, a atenção maior ao celular ou a contínua interrupção quando falamos. A necessidade de ser o centro das atenções em qualquer ocasião lustrando seu ego, e colocando-o acima do super-ego dos demais... Qualquer deles pode ser o gatilho do primeiro disparo, a partir daí não há retorno, somam-se impactos. E como as ondas apagando pegadas, os sentimentos comuns e as ideologias afins, já não são nítidas, não se partilham. O tempo, esse se encarrega do resto, às vezes em cumplicidade com a distância, sua amante preferida. E assim, nem é preciso esperar o Alzheimer para que se esqueçam nomes.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Anatomia

Foto: Djair
Quase tudo dói
Alma, coração ou outro órgão qualquer onde se guardem os sentimentos.

Quase tudo se rói,
Amores, ódios, amizades, lamentos.

Hoje tudo está roto,
Como a figueira sem figos ou a roseira sem brotos.