Curta a página no facebook

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Réquiens...



            Zuleica ia para o hospital, para uma internação que não seria a última, mas a primeira de um processo que antecederia seu desencarne num processo lento e denso, doloroso. Para ela, para todos que a cercavam, para todos que a conheciam. Ela a agarrar-se à esperança que só os doentes graves têm de que serão curados. De que terão dores sanadas e saúde recuperada.
            Aquele dia mal se iniciava e a carreguei no colo, os dois pavimentos, descendo a escada até a sala e depois outra, até o carro. Sem fazer força, sem suores, num medo apenas de não lhe oferecer conforto em meus braços durante o trajeto. Não pesava mais que uns 40 quilos, peso que não senti. È esse momento o de lembrança maior, quando me lembro dela já no estado de adoecimento, e embora prefira me lembrar dela em Ubatuba, na praia, a  tomar uma cervejinha, ou a passar cera na ardósia da casa, aquela lembrança é mais presente. Ainda assim é melhor que outras de sua via crucis, por sondas alimentares e demais internações. Uma noite, quando ainda podia alimentar-se com as próprias mãos, Vera, sua prima, perguntou, prestes a descer ao café do hospital, se ela queria algo, ao que animadinha responde com a mesma vontade com a qual se agarrava à vida: “Um pãozinho de queijo”, com a voz fraca dos que têm o pulmão em falência, mas os desejos de uma mineirice enraizada, mesmo após décadas fora do torrão. Era a mesma vontade com que havia comido no Natal anterior, seu último Natal, os pastéis que Henriqueta, sua irmã, fez, com o costume da mãe delas, que os preparava sempre no dia do nascimento do Cristo. Zuleica surpreendeu por comer e repetir, quando já não mais tinha quase apetite. E assim agarrava-se a esses pequenos prazeres gastronômicos, talvez os últimos que tinha, até que partiu, mansa e suave, ao encontro do jazigo da família, com uma maquiagem feita pela funerária, na qual se destacava um batom completamente fora da cor e tom dos que usara a vida inteira.
Quando Zé Luiz morreu, depois de meses de uma depressão profunda, em que nada o animava, em que a psicóloga, que frequentou 03 vezes por semana por mais de década, mais metia-lhe medo que certezas a respeito de tudo, cheguei junto com Jair, a um só tempo, no portão do prédio. Apenas nos abraçamos sem dizer nada, cada um vindo acelerado de um lado da cidade. Nos abraçamos fortemente e entramos. Recebidos pelos irmãos do Zé, fomos direto ao quarto onde há pouco ele partira de vez; depois de dias com medo de dormir teria dito: “_Ah, vou dormir... Foda-se!”
E partiu, partiu como um passarinho... Na cama embaixo dele ainda o molhado de urina, ele inerte naquela poça, o corpo já a esfriar...  Lavei-o, era a última coisa que podia fazer por ele. Pelo corpo daquele amigo tão querido. O corpo depois foi à funerária, e depois do velório seguiu embalsamado para Belém, onde ele havia nascido, onde estavam pais e irmãos que pouco o tinham visto na última década. Ficaram as lembranças, do jeito, do riso... De como nos dias de transmissão do Oscar, em que ligava para nós a cada intervalo do espetáculo, só para tecer comentários, ansiosos, ansiosíssímos e às vezes exaltados. Da risada dele, de como quando eu comprava algo e ele imediatamente comprava um igual, dizendo entre risos: “Nossa, eu comprei tal coisa, ninguém nunca pensou em comprar um desse modelo!” e riamos a valer... o jeito como repetia frases minhas, como se fossem suas, fazendo cara de bonachão e arrancando-me gargalhadas. Foi em paz!
           
            Rafael foi dormir e não acordou mais... O ataque cardíaco fulminante que muitos invejam... Sem doenças corroendo, sem acidentes traumatizantes, sem falências que deixam à cama sem sentidos, sem memória, simplesmente... Foi! Não deu tempo de se despedir, não deu tempo de dizer nada. O que vale é que o fazia constantemente, falando o quanto gostava, fazendo dedicatórias em livros, reclamando do que achava injusto, fazendo piada das pessoas de posicionamento contrário. Não deu tempo de cumprir a promessa que me fez uma semana antes de uma visita surpresa. Aquele dia, o  da promessa, ele estava feliz! Era a primeira vez que dirigia o carro atravessando a cidade. Orgulhoso com a proeza, com a coragem e com o desenvolvimento da aventura. Ainda meio que espero a visita, num sonho talvez... Ficou a lembrança do jeito cômico do excelente ator que era, dos comentários jocosos e ferinos que ele mesmo fazia de si, de suas peças, dos outros... A lembrança do jogo de limpar lareira que compramos pro Sítio de Cunha, de onde ele me trazia pinhões e histórias de caseiros, de caipiras. De vidas...
            Os três se foram.
            Três dores, três saudades, três pessoas que gostavam de mim, a menos no mundo. E hoje a saudade bateu deste jeito...
            Estejam bem... E me aguardem... Eu também vou, acho que vou demorar... Mas vou... Só não me cobrem pontualidade.
           
 Foto: Djair - O infinito, visto através de um dos arcos do Mosteiro dos Jerônimos - Lisboa Portugal.


Requiem - Fauré Gabriel Fauré (1845 - 1924) Requiem in D minor

15 comentários:

  1. Há um tempo, escrevi o texto Certeza... e a morte é o unico fato em absoluto de nossas vidas, todo o destino pode mudar, o futuro é incerto e independente do caminho que trilhamos com a morte um dia cedo ou tarde ou no tempo com ela iremos nos encontrar...

    Para uns um alivio, para outros uma tormenta, provoca lembranças e sentimentos sem fim daquelas pessoas que amamos e não queriamos que tivessem partido...

    Mas feliz ou infelizmente este é o curso da vida acontece porque tem que acontecer... nosso corpo fisico finda a existencia e a lembrançã e o espiritual ficam para a eternidade... logo somos imortais seja para quem nos ama, ou nos odeia!

    ResponderExcluir
  2. Querido amigo aí está a pessoa sensível...amigo de verdade...daqueles amigos que a gente jamais esquece...emocionante o relato...agora talves eu saiba um pouco mais de vc...basta ler entre linhas.
    Beijo enorme com imenso carinho e respeito...Soni@

    ResponderExcluir
  3. Ufa!
    Só isso.
    Luiz Otávio

    ResponderExcluir
  4. Lindo texto Djair. Estou nesse tempo de lembranças sobre a partida de pessoas queridas, de histórias que gostaria de ter compartilhado, de abraços e beijos que se acumulam por aqui sem terem sido entregues a quem deveriam...tenho pensado nesse/as amigo/as querido/as (e familiares, meu pai principalmente...) e quanto deixamos de dizer e demonstrar para aqueles que amamos de verdade, às vezes por achar que haverá tempo, outra oportunidade, momento mais exato e mais propício....às vezes porque consideramos que o que será dito, embora nos pareça importante, perderá sua força e brilho no momento em que as palavras forem enunciadas...deve ser a passagem do tempo, querido, que remexe a solidão e provoca a emergência das lágrimas que luto em manter represadas entre a garganta ('presas no nó') e os olhos que fingem mirar à distância para não ver tristeza que resta logo aqui ao lado....beijos e obrigada pelo lindo texto que me fez parar na loucura dessa 4a feira...Wânia

    ResponderExcluir
  5. Djair saudades e lembranças, tive a oportunidade de conhecer a Zuleika, e foi muito bom uma pessoa calma e eu sempre agitada. Sempre aparece os pastéis da Henriqueta e a Cida também Faz, atormentei tanto até que ela fez um dia e comi até. Quanto aos que foram só restam saudades. Quinta feira minha tia de 93 anos partiu para o mundo espiritual lucida morreu dormindo, mulher de muita fé. Bendito seja o teu texto nosso né. Que possamos dizer para o outro o quanto sentimos sua falta. Obrigada da Carminha.

    ResponderExcluir
  6. Ah, meu amigo, como estas despedidas ficam gravadas a fogo em nossas almas, ah, meu amigo...

    ResponderExcluir
  7. Nossa, fiquei bastante emocionado; deu vontade de chorar. O conteúdo é duro, mas forma é suave e tranquila. Parabéns!!

    ResponderExcluir
  8. Oi amigo, quanta saudade hein!É as vezes amanhecemos assim saudosos. Bjs adorei o texto é sempre muito bom ler seus textos. Frávia

    ResponderExcluir
  9. Acabei de ler! Confesso que esse tema não me encanta, mas por outro lado tem o seu mistério. Existem tantas crenças envolvendo a morte , mas até hoje eu tenho mtas dúvidas. Bjos
    Gina Guimaraes

    ResponderExcluir
  10. Queridos, quem entrou antes nopost e o re-visitar agora, pode estranhar a troca do réquiem, que era de Mozart e foi trocado pelo de Fauré, trata-se de uma adequação ao texto, o de Mozart é muito mais pomposo, composto para um rei, o de Fauré mais contido, e não por isso menos belo. Mais adequado ao texto em sua densidade.
    Caso queiram ouvir o de mozart, o link é: http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=ia8ceqIDSJw

    ResponderExcluir
  11. forte.....demais....=] amei o texto...como sempre...nos remete a tudo que vivemos =]
    brigadim

    alan costa

    ResponderExcluir
  12. Gostei do estilo de narração e... da mensagem!
    Em Provérbios tem um versículo em que diz que 'é melhor estar presente na hora da morte que na do nascimento'. Faz a gente pensar sobre a insignificância da nossa vida e a procura por uma solução.
    Se prepara que a sua vez está chegando... de morrer... ou de pensar mais na vida e na morte.

    ResponderExcluir
  13. "...quando teus amigos te surpreendem, deixando a vida de repente e não se quer acreditar...mas se é essa vida é passageira, chorar eu sei que é besteira, mas meu amigo...não dá pra segurar..não dá pra segurar..."


    Sem palavras...


    Alex.'. Araújo

    ResponderExcluir
  14. Me fez lembrar de pessoas queridas que estão seguindo suas vidas em algum lugar...

    Djair, saber de comunicar é um Dom... Conseguir transferir emoções através de um meio de comunicação tão frio, é um Dom Divino!

    ResponderExcluir