Curta a página no facebook

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Reverência

Que fazer se já não há prazer
Se vira obrigação
E não lazer
Se vem tudo por escrito
Qual avaliação com gabarito

A Obrigação da reverência
Sem nenhuma deferência

Deus salve a rainha
Só dar de acordo
Ou dar ciência

Buscar o alvorecer no companheirismo
Cumprir o dever com idealismo
Suportar o que irrita
Com gelado chopp
E batata frita


Publicado originalmente em: Antologia de poetas CEU-Aricanduva. São Paulo: 2004, 25p.

4 comentários:

  1. Me parece fruto de um dia cansativo de trabalho.rs. Foi isso? A inspiração pode vir de qualquer lugar, só não pode ser capturada. Ela vem quando quer.

    ResponderExcluir
  2. Não um dia cansativo de trabalho, mas uma jornada cansativa de desilusões no trabalho.

    Sim, e quando não se aproveita no momento que vem ela bate asas e fugidia que é tarda a retornar, e ainda que retorne vem de outra forma e com intensidade tão diversa que o que tinha trazido na primeira carga já se perdeu para sempre.

    ResponderExcluir
  3. Tão bem escritos quto as postagens, são os comentários que vejo aqui .
    Realmente a monotonia é um verme que destrói a alma!
    Muitas vezes temos que asfixiar ideias que achamos que dariam bons frutos, por conta de normas, muitas vezes ultrapassadas. Mas que deverão ser seguidas a risca para não sair do controle dos que comandam.
    É...liberdade significa responsabilidade. É por isso que tanta gente tem medo dela.

    ResponderExcluir
  4. Ainda temos o chopp gelado e a batata frita. E vida de gado. Esta esrita me fez refletir....... Quando que gostamos de fazer vira obrigação e assim e a Educação. Não esta longe do que escreveu. Bons ventos companheiro, bom dia. Carminha

    ResponderExcluir