Curta a página no facebook

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

O não fazer...

     Muito se fala do ócio criativo. E o ócio destrutivo? Aquele que nos deixa incapazes de executar qualquer tarefa, nos incapacita inclusive de pensar? Bem, o que nos leva a este estado de inércia? Daquilo que nada agrada, nada satisfaz, nada dá alento? “Non, je ne regrette rien.”

    O que causa essa incapacidade mental que se estende aos músculos? Em época de doenças psicológicas dirão logo: “Isto é depressão.” Afinal a doença deste início de século é esta e suas companheiras, transtornos bipolares, síndromes de pânico e por aí teremos uma enorme gama de outros distúrbios catalogados nos códices e index Medicus.

    Há alguns anos trabalhei com alguém que reclamava o tempo todo da instituição. Naquele tempo, eu era uma pessoa mais ativa e dinâmica, e cheguei a oferecer vários tipos de novos trabalhos, que sempre eram recusados com a frase: “_Eu até gostaria muito de fazer isso, mas no momento não!" Tratava-se de uma pessoa que era versada em línguas, com texto conciso e interessante, mas limitava-se a um trabalho mecânico, que poderia ser executado por um aluno de quinta série. A ela apenas interessava a arte, o cinema, o teatro... E eu a admirava, até perceber que não passava de Blague. Uma máscara para ocultar a mediocridade e evitar todo e qualquer tipo de trabalho que lhe tirasse o mínimo da rotina, cultuada a extremos. Com certeza uma patologia...


    Outros tipos, esses clássicos, são os que nunca conseguem dar conta das coisas que tem a fazer, sempre a bradar: “_Ah, não consegui terminar tudo que eu tinha pra essa semana”, ou dia, ou mês... Mas... Observe atentamente; estão sempre ao telefone, MSN, ou qualquer outro afazer que não o de cuidar o trabalho que lhe foi entregue. Realmente este é um clássico!

    Bem, isso difere daquela preguiça que nos acomete, a todos, vez em quando, a vontade de ficar na cama e de preferência que alguém nos traga ali o café, com leite, com um bom pão de queijo e um belo bolo. O que me lembra uma amiga que disse sonhar em ter uma bandeja destas de pé, na qual se leva o café na cama... Perguntei-lhe porque não comprava e ela na lata responde: “Por que não vem com alguém junto para fazer e levar o café!!” Mas esta preguiça, é diferente, gostosa e benéfica, se ficamos na cama, logo estaremos com um livro à mão, um filme aos olhos ou elocubrando futuros que desejamos, e que a partir daí serão transformados em realidade. Ou não! Enfim, é uma higiene mental. Aliás, lembro no primário que tínhamos um momento após o recreio, que eram alguns minutos dedicados à higiene mental, cujo objetivo era nos acalmar, porque no recreio mesmo nossas energias afloravam, em correrias e gritos, um estado de excitação que não cooperaria em nada para o aprendizado de matemática da aula seguinte. Era um momento de silêncio onde esvaziávamos (pelo menos a intenção era esta) a mente.

    Sinto falta destas coisas, aliás, sinto falta de Educação Moral e Cívica e religião nos currículos escolares. Afinal, hoje pais não passam muitos esses valores aos filhos. E estudantes ocupam reitorias de universidades para protestar contra a imposição de leis seus campus, como se ali fosse um estado paralelo onde as leis nacionais não atuassem. Mas essa é outra discussão, o tema inicial já divagou tanto quanto as interrupções sofridas no decurso em que escrevia esses parágrafos; enfim aí estão algumas reflexões e o blog manteve sua periodicidade.

5 comentários:

  1. Ei, Djair...adorável teu blog...sigo explorando...


    Sobre teu texto de hoje...

    Muitas são as pessoas que têm medo de novas responsabilidades e, por isso, preferem a estagnação (talvez por isso você tenha percebido a Blague); outras possuem uma desorganização mental natural (rsrs) e não conseguem dar conta do que fazem. Convivi e convivo profissional e pessoalmente com pessoas assim e, confesso, me dão coceira..rs...(mas me esforço por entendê-las e respeitá-las. Seria tão bom se o oposto acontecesse...).

    Algumas vezes, me dou o direito àquela preguiça gostosa, aquele momento silencioso em que divago sobre coisas boas que possam vir a acontecer ou que já aconteceram; sobre conversas que tive; sobre viagens que fiz; sobre livros que li; sobre sonhos que tenho, etc. Isso me conforta.

    E assim, como você, me lembro deste silêncio tão precioso após o recreio quando era criança. E sinto falta de tantos, mas tantos valores deixados para trás, que acho melhor nem enumerar, caso contrário vou fechar meu note e começar a divagar sobre eles, “praticando o ócio destrutivo”...rsrs.

    Beijinhos.
    Com carinho,

    ResponderExcluir
  2. Eu acho q a preguiça gostosa é fundamental...sem ela como parar p/ pensar um pouquinho na vida ou, como disse a Rô, sonhar? Mas preguiça a toda hora, má vontade, fazer tudo de qualquer jeito...como será a mente de quem vive assim? De qualquer jeito também? Existem pessoas que são naturalmente atrapalhadas...acho normal...anormal é abrir mão de querer melhorar...

    Sil

    ResponderExcluir
  3. A preguiça não me permite dizer muito...
    Muitos são os que produzem a aparência de "cult", mas na verdade nem entendem direito a letra do Inimigos da HP, que dirá Chico Buarque, mas ficam com pose de intelectuais.
    Outros estão parados no tempo e espaço e nem se dão conta. Uns por achar que chegaram no topo e nem se dão conta que estão andando para trás.
    Outros não tem grandes expectativas.
    Agora, dá licença que tô com uma preguiça... escrevi muito....

    ResponderExcluir
  4. OLá
    Menininho!!!
    Tem hora que fico com vontade de estar em casa devido ao "tedio" mas temos que sobreviver e ai unimos de forças e vamos trabalhar. E essas pessoas que não tem condiçoes de oucupar-se com outras atividades é aquela historia"quem procura acha a depressão sem nescessidade e para aquelas que consideram que já tem tudo meus "pesames" pela sua igonrancia!!!
    bjs
    Menininho

    ResponderExcluir
  5. Um texto para se pensar.Lembrei da minha aula de sociologia, que o professor tentou explicar o ócio (risos) que confusão.Penso que em um momento de preguiça,ou na cama ou pós refeição, posso ouvir meu coração e uma bela canção, depois volta ao trabalho que faço com carinho.Só me disperço algumas vezes .......abraços Carminha

    ResponderExcluir