Curta a página no facebook

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Minha Pasárgada, que lá sou filho da rainha.

Na casa de minha mãe sou visita ilustre, capricha-se na faxina e se estendem toalhas, lençóis, fronhas e tapetes que em outras ocasiões permanecem com ramos de alecrim ao fundo de um baú que foi de minha avó.
Talheres escondidos surgem à mesa, quitandas não são feitas, mas compradas aqui e ali, ao contrário do cardápio de sal. Neste, banquetes revolvem tripas puritanas de gente nojentinha, mas que a mim fazem salivar só de lembrá-los.
Tem o dia da panelada que como fervendo, com umas gotas de malagueta, ainda que faça calor. O suor me vem à testa, nem derrame, nem congestão, mas bons quilos dos quais custo a me livrar. Tem o dia da buchada, e ah, como é esperada... Não, não vem com arroz dentro, só miúdos e a tripaiada. Quente também, que nunca fui boia fria. E tem baião de dois com pequi dentro, e para arrematar, nesse dia tem ovo frito na manteiga de garrafa, ovo de galinha caipira claro, como as claras. Se é para cevar, vamos engordar. Um pouquinho de pimenta de macaco, do pé lá do fundo do quintal. Vixe! Come-se até quase passar mal.
Três dias antes de eu chegar, o leite já lá está, pra virar coalhada, grossa, de comer em pedaços, com mel, açúcar, raspas de rapadura, ou mesmo adoçante, só pra disfarçar. Não me nego ao bocado branco, gelado, tenro.
Hummm, salada de frutas, feita com os mamões do quintal, redondos, bem amarelos, de um doce que só os de lá... E pensar que fui eu mesmo que comecei a semeá-los por lá. E sempre, a cada ida, semeio mais, que é pra fruta não acabar.
Já por aqui ao descrever salivei como um cão do Pavlov. Nem vou falar de cuscuz, beiju e pão, nem das atas, dos sucos de acerola, cajá e limão. Melhor parar por aqui, antes de perder a mão.

Foto: Djair - Batatas doce e mandioca

9 comentários:

  1. Lindo texto, Djair! Parabéns!Tudo isso é muito gostoso. Dá água na boca. Se encontrar parecido em outro lugar, não terá o mesmo sabor, pois não terá o tempero carinhoso de sua mãe.
    Abraço, Luiz Otávio de Lima Pereira
    ......
    - Leia os dois últimos versos deste poema:
    - BÊNÇÃOS (Tomás Ribeiro (1899-1965) -
    .
    Bem hajas, ó luz do sol,
    Dos órfãos gasalho e manto,
    Imenso, eterno farol
    Deste mar largo de pranto!
    .
    Bem hajas, água da fonte,
    Que não desprezas ninguém!
    Bem haja a urze do monte,
    Que é lenha de quem não tem!
    .
    Bem hajam rios e relvas,
    Paraíso dos pastores!
    Bem hajam aves das selvas,
    Música dos lavradores!
    .
    Bem haja o reino dos céus,
    Que aos pobres dá graça e luz!
    Bem haja o templo de Deus,
    Que tem sacramento e cruz!
    .
    Bem haja o cheiro da flor,
    Que alegra o lidar campestre;
    E o regalo do pastor,
    A negra amora silvestre!
    .
    Bem haja o repouso à sesta
    Do lavrador e da enxada;
    E a madressilva modesta,
    Que espreita à beira da estrada!
    .
    Triste de quem der um ai
    Sem achar eco em ninguém!
    Felizes os que têm pai,
    Mimosos os que têm mãe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Belo poema Luiz, muitíssimo grato, por ele, e pelo comentário

      Excluir
  2. Retificando os anos de nascimento e falecimento do Tomás Ribeiro: -1831, 1901 -
    (Luiz Otávio Pereira)

    ResponderExcluir
  3. Que texto gostoso de ler e salivar com cada palavra. Lembrei do Pequi minha mãe usava também. Coalhada é muito bom. enfim boas lembranças com gosto de saudades da minha mãe. beijos
    Carminha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como disse o Luiz ali em cima, o que dá ao tempero à comida de nossas mães é o carinho, né? Beijos

      Excluir
  4. Ah,Dja!Você foi condicionando a comer coisas boas!rs
    Comidas,sabores,memórias,afetos...disso que é feito os bons momentos da vida.

    Beijão,Dja!Dani

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso, Dani, sabores, cores, texturas, tudo isso me alegra! :)
      Beijão!!!

      Excluir
  5. Que sorte a sua Dja, de ter a presença de uma mãe que com amor e esmero prepara tantas gostosuras...Existe sentimento mais confortante que ser bem acolhido, de aconchegado em cada pequeno gesto carregado de amor? E nada melhor para traduzir este amor incondicional que o preparo de uma boa comida, onde vai se misturando os temperos e a bem querêncial... Morri de inveja boa!!!... rsrs... bjos meu amigo!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Laurinha, é das coisas mais gostosas da vida!!! :) brigado! beijos!

      Excluir