Curta a página no facebook

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Respeito, Conceito, Pré-conceito... Preconceito!



“Deve ser erro meu querer jardim lá onde a natureza só pretende selva.”
Marina Colasanti

            Esta semana, nas redes sociais, duas noticias bombaram e suscitaram diversos comentários de protestos. A primeira, uma reportagem da revista Veja (cuja versão on line trazia um vídeo) sobre um suposto “rei do camarote” (e não, não vou falar de nossa nostalgia de uma monarquia que por aqui não durou tanto – e que se nota nos “reis e rainhas” que nomeiam tudo... O do futebol, o da voz, o da soja, a dos baixinhos, os do carnaval, da noite e por ai vai...). Mas enfim, quem quiser ver o tal vídeo é só acessar o youtube.
            A segunda, o cantor (?) Justin Bieber  que, após ser atingido por uma garrafa plástica no palco em um show, o teria abandonado, xingado fãs e cancelado a turnê que fazia por aqui. Não, ele não deve ter sido informado da tempestade de garrafas plásticas que desabou sobre Carlinhos Brown em uma edição do Rock´n Rio há alguns anos...
            Mas o que mais me chocou foram os comentários idiotas a respeito de ambos os casos, a demonstrar ignorância ainda maior que dos dois e preconceito explicito. Afinal, ao mesmo tempo que se chocavam com comportamentos, mostravam reações primarias de homofobia. O primeiro se refere ao tal rei do camarote, o segundo ao cantor:
Idiota I:          “Nossa que cara chato!!! e é gay ainda !”
Idiota II:    Éh uma Biba Mirim!....naum vale a pena comentar, deixa que a Hemorroida dele estoura sózinha!!!”
Textos transcritos Ipsis litteris (logo erros e dialetos preservados).
E se o assunto fosse um atentado dos “machos” sobre homossexuais como os que houve tempos atrás na Paulista, em Pinheiros e que ocorrem diariamente sem que sejam noticiados? Ora, fosse esse o tema das postagens, provavelmente os comentaristas (esses dois pelo menos) se calariam. É possível também que fizessem coro a vozes que protestaram contra aqueles ataques já citados. Afinal, a diversidade só costuma ser respeitada por quem faz parte daquela diversidade que o inclui. Fora isso, é o mesmo desrespeito por desconhecimento, preconceito, ignorância e xenofobismo ou mesmo muitas vezes negação.
O mesmo preconceito que leva a culpar a mulher pelo seu estupro, o gay por preferências as quais talvez ele mesmo tenha negado e lutado contra durante anos, o negro que nasceu negro por ser filho de negros, o miserável que não teve chances ou forças para sair de seu estado marginalizado, o nordestino que migrou para tentar dar melhores condições aos seus, assim como o fizeram japoneses e italianos, coreanos, árabes e tantos outros. O que faz aceitar um e não outros muitas vezes é a beleza externa ou uma ascendência dita nobre, e aí qual a diferença entre os que têm dinheiro e esbanjam em camarotes? O fato do tal rei do camarote ser gay acaso aumentaria o choque pelo modo como vê a vida, a importância às superficialidades que ele cultua? Se ele fosse mais másculo e fizesse a cara de mau, comum aos rapazes que querem ostentar sua masculinidade, teria diminuído sua boçalidade? Mas o comentário idiota (I) faz parecer que o pior seria ele ser gay. O fato de ser gay para essa pessoa é pior que ser boçal, é pior que quaisquer desvios de comportamento ou de caráter.
Renato Russo, Freddie Mercure, Cazuza, Ney Matogrosso, Elton John, todos gays, e seu comportamento no palco irrepreensível, suas músicas, suas vozes, seu espetáculo. Qual a preocupação com o que eles fazem do seu corpo? O fato de serem gays os diminui enquanto pessoas? Enquanto artistas? Porque então a qualificação de “É GAY” como desqualificador de personalidade ou sinônimo de comportamento histérico ou inadequado? Inveja? Bem, se é isso é só dar também! Mas o caso é que o preconceito está ali latente, e depois quando questionado, desconversa-se: “não era bem assim... eu tenho até amigos gays...” Pois é... Não é preconceito, né?

Foto - Djair - Serpentes. René Lalique, 1898-1899. - Fundação Calouste Gulbenkian - Lisboa,  Portugal

8 comentários:

  1. Bem é muito difícil conviver com esses animais. (eu gosto de animais). Conviver no dia a dia , com pessoas assim.
    O que cada um faz é problema dele. E o preconceito impera todos os dias.
    abraços Carminha

    ResponderExcluir
  2. Sociedade sempre foi doente na questão de costumes e familia. Tudo tem que se seguir nos conformes do comum chato.Medidas corretas,amor de filmes,vida pacata.Não.As coisas não são tão racionais assim.Vivemos num pais tão politicamente correto,que tudo é ofensa.Algo que sempre existiu no mundo,parece algo assustador e polemico sempre.Para mim,o que é pecado,o que é errado?Maltratar uma pessoa,matar,torturar,esnobar,invejar e etc.Agora amar outra pessoa,seja ela do mesmo sexo ou não,pra mim é algo completamente bonito!Em relação do Justin,eu fico preocupado apenas com essa tal liberdade que ele tem na fama.A forma que ele joga na cara de todos que só porque é reconhecido,que pode tudo.Bom,o que me entristece é que se ele seguir desse jeito,só vai morrer muito cedo.

    ResponderExcluir
  3. É isso mesmo, Djair! Menções pejorativas a determinados grupos de pessoas são demonstrações de pobreza de espírito. => O regime nazista fundado por Adolf Hitler perseguia e tentava exterminar militantes comunistas, ciganos, judeus, homossexuais, eslavos, deficientes motores, deficientes mentais, prisioneiros de guerra soviéticos, membros da elite intelectual polaca, russa e de outros países do Leste Europeu, além de ativistas políticos, Testemunhas de Jeová, alguns sacerdotes católicos, alguns membros mórmons e sindicalistas, pacientes psiquiátricos e criminosos de delito comum.
    Abraço,
    Luiz Otávio de Lima Pereira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato Luiz, e o que vemos por aqui cada vez mais é essa guinada ao preconceito mal disfarçado de comicidade, e comentários outros, aqui, ali, acolá vai se dispersando o mesmo tipo de pensamento higienista que só causou mal onde passou.

      Excluir
  4. Pois é amigo, já percebi isso tbm. Chamar de viado, bicha, baitola (pra muita gente) é desqualificar alguém. E vai mais além ainda. A sociedade aceita ver um casal homo na novela, mas nas redes sociais, se comentar algo como: "Pô, isso é preconceito" ainda vai ter nego que vai falar:"Hummmmmm, sabia"...
    Homossexual ainda é visto como piada. Lamentável.

    ResponderExcluir
  5. Eu sinto vergonha pela pessoa preconceituosa.Pois é algo muito triste a pessoa ter uma mente tão atrofiada,doente,vazia de todos os valores humanos.Ignorância viva!Boçalidade da alma.Sim,tenho muita pena dessas pessoas.Merecem apenas,nossa oração e misericórdia Divina.

    Beijão,Dja!Dani.

    ResponderExcluir