Curta a página no facebook

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Siroco




Quem sabe o vento esbarre no rufar dos tambores d’África
e traga seus sons para que se possa fazer ouvir meus moucos ouvidos,
assim possa eu, num ritmo que entonteça, soltar um grito
que desengasgue tudo que prendo e engulo
(em seco): 
todo peso, toda culpa que a América cristã me infunde.


Foto: Djair - detalhe de mural em Inhotim - Brumadinho - MG

3 comentários:

  1. Profundo!
    Que permaneça pelos tempos tudo o que for verdadeiro.
    Que perpetue pelo vento tudo que for coração.
    Que não nos cessem o direito de gritarmos um GRITO de liberdade.
    Que batuquem os tambores da vida!
    Axé!

    Amei,Dja!Beijão!Dani.

    ResponderExcluir
  2. Me senti saindo da Africa para América,com um brado forte de insatisfação com a cristandade fanática que nos foi imposta.Que seja fundindo em nós apenas amor e esperança de uma vida espiritual melhor,porque a carnal já sabemos o formato.
    abç

    ResponderExcluir
  3. Adorei o titulo!O siroco é seco e aspero quando bate em nossas almas.

    ResponderExcluir