Curta a página no facebook

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Metamorfose



              Já não sou mais quem eu era.

            Também não sou o que queria ser. E ser metamorfose ambulante não é questão de preferir ou escolher, é de viver, de sobreviver.
            Além do estar, o ser. Sem essa de to be, que o ser é muito  mais profundo que estar. Oras, independente de onde se 'está', o que se é, é ainda maior, e embora o fato de 'estar' interfira metamorfoseando o ser, ele 'é'.
            A vontade de ser outro, o torna um outro que não aquele que gostaria de ser, e um outro diferente daquele que era – muito além de “O capital” ou “as obras completas de Freud” o possam transformar. As expectativas, correspondidas ou frustradas, os lugares, as pessoas, os signos redescobertos, redefinidos, redesenhados, alinhavam pareceres claros e obscuros e abrem a mente, encerram visões açucaradas e freios repressores. A lagarta só tece o casulo para metamorfosear-se, e dali o que sairá, tanto faz se mariposa ou borboleta, já não é lagarta.

           É a barata de Kafka?
           É a Mosca?
           E se é a mosca, ela pousará na sua sopa?

           Ou você a espanta?
           Ou você se espanta?
           O que te causa espanto? A mosca, ou o medo de ser mosca? 


Foto: Djair - Flor (já murcha) de Papo de peru ( Aristolochia Gigantea).


3 comentários:

  1. Efeito Orloff, eu sou você amanhã. hahah

    ResponderExcluir
  2. Melhor ser essa metamorfose ambulante e pensante do que ser moldado pelos comportamentos das mídias e das massas, ótimos post hehe abraço,
    Cheferson Amaro

    ResponderExcluir
  3. Mudar dói!É muito mais fácil ser uma eterna lagarta do que gastar energia,sofrimento,dor e se transformar em uma borboleta.
    Quem dera se acordássemos como um monstruoso inseto NÃO alienado.
    Viva Kafka!
    Viva Djair!

    Beijão!Dani.

    ResponderExcluir