Curta a página no facebook

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Viva Santo Antônio!

Imagem de Santo Antonio
Adquirida em Lisboa


13 de junho, dia do aniversário de Graciele, com quem não consigo mais falar, e... Dia de Santo Antônio; sempre que pude fiz fogueiras nesse dia e nos dos outros santos juninos (João e Pedro), e em outros dias, tivessem eles santos ou não. Aqui mesmo no blog já falei sobre fogueiras, mas... Hoje é dia de santo Antônio. Ano passado em Lisboa, me deparo com a igreja dele, segundo consta erigida no local onde foi a casa em que nasceu e morou. Assisti ali a uma missa e emocionado comunguei.

Bem, não é segredo que acredito em tudo, Deus e santos, e outros gênios, cristãos ou pagãos, já que para os cristãos tudo além do Cristo e seus mártires e santos é pagão. E mais abrangente, creio no Deus cristão e nos demais deuses também, Krsna, Orixás, e nem deveria, mas acredito (embora bem menos, mas mais do que deveria) nos homens também. Conheço ateus, agnósticos e fiéis de todas as vertentes, até um ateu devoto de S. Judas Tadeu e Nossa Senhora Aparecida.

Faço diferente da maioria ao comungar que, ao tomar a hóstia, já se acreditam puros e sem pecado, por terem se confessado e recitado fórmulas repetidas por séculos e “seculorum” mas enfim, quando resolvo fazê-lo, é porque estou tomado de certa emoção de embevecimento, de fé (se a isso se pode chamar assim) e aí sim, entro na fila e tomo a hóstia, preferencialmente das mãos de quem a distribui, que prefiro seja o próprio sacerdote vestido com todos os seus paramentos. A tomo porém no sentido de a partir dali me tornar melhor de alguma forma. Da mesma forma que tomaria um passe, água fluidificada ou benzida, ou doces de Cosme e Damião, ou “prachada”. Afinal, se tudo está imbuído de bons fluídos, de amor, tudo há de fazer o bem, e se o objetivo também é o de tornar-se melhor, nada vai fazer mal; é o que acredito a despeito do que achem outras crenças e seus representantes, sobretudo os mais cheios de certeza e conhecedores de seus livros de leis. Até porque muita gente os lê, decora e segue fazendo sacanagens e escrotidões às baciadas é fato, o vejo diariamente, gente que puxa tapetes e faz trapaças enquanto cita versículos sem sequer ruborizar.

Mas... É dia de Santo Antonio, então viva o santo do dia! Faço gosto que suas simpatias e tradições se mantenham, simpatias de moças casadouras, como as da faca na bananeira, do pingo de vela na bacia d’água, ou o amarrar seguido de afogamento da imagem do santo de ponta-cabeça. Que fogueiras ardam iluminando céus e aquecendo românticos, sou a favor de tradições, mais por achá-las belas e romanceadas do que por crer de fato em seus ritos, o que creio, creio eu e pronto. O que acho belo, é belo a meus olhos e se outros não o acham, paciência, certos círculos de visão só veem mesmo o material, então, lamentemos sua miopia. 

Nessa época dá-me saudade do Nordeste e de Minas Gerais, de procissões, e crendices, das abóboras, batatas doce, bananas, carnes assadas na fogueira e dos quitutes juninos. Me dá saudade de Ubatuba, onde sendo S. Pedro padroeiro dos pescadores, estes fazem festa a ele coincidindo com a pesca da tainha, que no princípio era preparada e assada por suas esposas na Ilha dos Pescadores, e servida recheada e assada na brasa, por preço vergonhosamente barato. Dá-me saudades dos pinhões que Rafael me trazia de seu sítio em Cunha, e a lembrança que eles também existem no sítio de Ana Angélica em Curitiba, então que o Santo do dia me propicie logo a ter o meu, pois faço parte do movimento dos sem sítio. Prometo fogueiras a ele.

De mais, viva Santo Antonio, Viva São João, viva São Pedro!

13 comentários:

  1. Nossa Dja, curti e adorei muito a sua crônica!
    Mesmo porque tb sou do interior e vivenciei quase tudo o que narras tão deliciosamente; da festa religiosa cristã e tb a pagã... Vovô chamava todos os tios e primos e fazia fogueiras enormes, com churrascos em varas de bambus, batatas doce assadas, milhos e outros quitudes, além da queima de fogos... A vida era tão mais simples, inocente e gostosa de ser vivida! Mas não nos lamentemos; se queremos, que corramos atrás e façamos acontecer de novo!
    Beijo, meu amigo lindo!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom! Muito bom! Amei esse texto, amei o comentário da Laura, que apesar de não conhecê-la pessoalmente, parece-me que já a conheço a anos. Muito bem, vamos ao cerne da questão, quando vamos comer pinhão assado na fogueira de São João em meu sítio? Rsrsrs
    Obs.: Percebeste que não comentaste sobre soltar balões? Pode ser seu subconsciente em alerta aos cuidados com a natureza e ações de cidadania. Bjs Dja.
    Ana Angélica.

    ResponderExcluir
  3. E VIVA SANTO ANTONIO =]

    ALAN COSTA

    ResponderExcluir
  4. Com certeza Djair,mais um texto sem deixar sombra de duvida do escritor que você é... viajo nestes textos, é como se fosse tomado por um efeito alucinógeno... ver as fogueiras, as bandeirolas, os mastros dos Santos Juninos e toda a ritualistica profana dos festejos dos Santos só exalta ainda mais o Sagrado, e, através de seus escritos alcançam uma das expressões máximas, tanto da vivência da fé quanto das lembranças doces vividas nos meses de junho ao longo de sua vida!

    É muito bom ler o que você escreve, você sim é meu ídolo!

    ResponderExcluir
  5. Viva¹! o que escreveste, lembrei bem da infância, minha mãe era madrinha de fogueira, vinha as crianças e a mãe dizia: E minha afilhada que Deus mandou e depois pasmem, andava na Brasa e eu espantada .......Em outro momento ela tinha uma afilhada Gaga, bença madinh...a, eu passou pela fogueira e eu a rir da gagueira. Nisso , batatas assando rezas e a vizinhança junto.....tempo bom. Obrigada pela escrita. Por me fazer lembrar de minha mãe....Abraços

    ResponderExcluir
  6. Santo Antônio é padroeiro da igreja que frequentei desde adolescente lá na Brasilândia city, rs. Ontem fiquei o dia todo lembrando da música que cantávamos e hj cantam ainda os que vão às missas do dia 13/06. Lembro tb do bolo de Santo Antonio, que lá na paróquia eram vários bolos vendidos aos pedaços, recheados de doce de leite e uns "mini santo antoninhos", que quem os encontrava nos seus pedaços, achavam que davam sorte. Viva Santo Antonio!

    "Os jovens enamorados, vêm fazer suas orações, pedindo pra Santo Antonio, que una seus corações.
    Santo Antonio, querido do povo, aponta o Cristo de novo. Santo Antonio, querido do povo, aponta o Cristo de novo. Sempre de novo, aponta Jesus, no meio do povo, seguindo esta luz que é Jesus.
    Também os que estão casados, na Igreja vêm implorar, pedindo pra Santo Antonio, para o amor nunca se acabar.
    Quem não tem seu bem querer, humildemente vem rezar, pedindo pra Santo Antonio, o seu amor encontrar..."

    ResponderExcluir
  7. Amei o ateu devoto de São Judas Tadeu e Nossa Senhora Aparecida!!! rsrsr tenho um amigo que diz que ateu não existe, pois na hora do aperto todo mundo diz: "Ai minha Nossa Senhora.." rsrsr

    Sil

    ResponderExcluir
  8. Viva! Viva! Sou do interior e vivenciei todas essas festas e costumes.

    Gina Guimaraes

    ResponderExcluir
  9. Viva Santo Antonio! Se ele é protetor dos casamenteiros, espero que proteja também esse 'triângulo amoroso' que habita sua alma: a imaginação, a inspiração e a habilidade em colocar tudo no papel fazendo aflorar lembranças e emoções em tod@s nós, agradecid@s leitor@s. bjs, Wânia

    ResponderExcluir
  10. Olá Menininho me perdi no tempo e ai estava ausente de seu blog mas quero dizer que tambem sinto saudade de uma verdadeira festa junina
    que ja não se fazem tão bem mais!!!
    bjs
    menininha

    ResponderExcluir
  11. Mais do que uma crença religiosa, Santo Antônio me lembra simpatias, festa junina, quadilha, comidinhas deliciosas e sobretudo alegria.

    ResponderExcluir
  12. Nasci em São Paulo, não conheço outras festas juninas a não ser as festas promovidas pelas escolas ou pelo SESC, mas viajei na sua descrição de festa, tenho certeza que é por causa da descendência nordestina, viajava também nas histórias do meu avô. Agora que meu avô está juntinho de Nossa Senhora, tenho um desejo junino, ir conhecer o Arraial de Caruaru, a terra dele. Ah! Tomei como meu mais um desejo... que meu amigo Djair desprovido de sítio também tenha seu cantinho de terra, faça várias fogueiras lindas para Santo Antônio e quem sabe eu também possa ir lá diante da fogueira de um dos santos mais simbólicos pedir um casamento feliz e duradouro. Um super beijo!!! Giseli Fernando

    ResponderExcluir
  13. Fiquei feliz em saber que houve fogueira aqui na minha rua. E fico mais feliz ainda quando vejo uma escola fazendo Festa Junina, FESTA CAIPIRA e não a Festa Country importada via Rede Globo e assimilada por umas cabecinhas vazias (se contivessem algo nem assitiriam Globo).

    ResponderExcluir