Curta a página no facebook

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Confiança

               Um dos sentimentos mais importantes, em qualquer relacionamento... Confiança...
É ela quem nos faz permanecer em relacionamento com pessoas, grupos, trabalhos, nos faz manter empregados que têm às vezes muitas falhas, mas em quem confiamos, a quem entregamos as chaves de nossas salas, as de nossas casas, principalmente se, como eu, são descuidados que chegamos e espalhamos carteira, dinheiro, documentos e os deixamos em qualquer lugar. Sabemos que não os encontraremos ali, mas sobre uma cômoda ou em determinada gaveta.
Muitos casamentos acabam quando acaba a confiança; uma traição física, que a mais das vezes nada tem de envolvimento sentimental, mas sim de sexual, põe fim aí, exatamente no momento da descoberta que o outro não cumpriu um acordo tácito de relacionar-se apenas com o cônjuge. Amizades de anos a fio têm fim quando se descobre que aquele segredo confiado apenas àquela pessoa, foi compartilhado com terceiros, quartos e quintos, e ai, manda-se a relação para o quinto dos infernos.
Mais do que compartilhamento de segredos, a maior quebra de confiança dá-se quando se percebe que o outro utiliza-se de um relacionamento (que muitas vezes é longo, mas sem profundidade) para tirar alguma vantagem do que o outro tem, para aproximar-se de alguém que o outro conhece, para entranhar em negócios e obter vantagens pessoais, e lucro certo.
Nos dias atuais, Kali Yuga (Idade do Demônio Kali ou Idade do Vício), para os hindus, a confiança é algo difícil de conquistar e uma vez conquistada deve ser mantida como preceito, como a própria alma,pois quando se perde, dificilmente se resgata. E se a consegue resgatar, seu brilho sempre permanecerá ofuscado pela lembrança da traição passada. Afinal, mesmo nas relações saudáveis, onde se confia, volta e meia vem a dúvida... Até onde confiar? Posso realmente confiar? Quem não confia não está imune a traições, puxações de tapete ou imbróglios desta espécie. Faz parte do amadurecimento superar fins de relações, pessoais, profissionais, amorosas, mas as cicatrizes são profundas, muitas vezes originando queloides hediondos sem que se resgate a serenidade.
Mas o não confiar nunca, em nada, em ninguém (se isso é possível) não doerá mais que confiar e depois se descobrir equivocado?
É um processo de uma vida: confiar nos pais, confiar que a mãe o amamentará, que os pais o protegerão, que está seguro em casa, que o que o professor lhe ensina é correto, que seus amigos não o sacanearão, que o companheiro (a) vai se dedicar a você tanto quanto a ele, que sua religião e seu Deus o protegerão, que o seu sócio não o trairá, que seu amigo estará ali como você estaria no caso dele precisar, que a pessoa que você ama te doaria um rim se necessário fosse, que aquele amigo que propõe um empreendimento está realmente te contando a verdade sobre ele, suas consequências e riscos?
E por ai vai... Mas... Quem garante qualquer uma destas coisas?
Este texto não tem um desfecho, apenas leva ao questionamento sobre a confiança. Sobre em quem ou em que confiar. Confiança chega a ser um estado de espírito, porque às vezes você confia, mas em um determinado dia, cinza, frio, você pensa: e se não for assim? E então, confia? 

7 comentários:

  1. É, confiar hoje em alguém tem muito a ver com ter perdido a confiança em um outro momento. As vezes, a gente faz de conta que confia mas fica com um pé atrás em caso de um ataque súbito, não é?

    JLP

    ResponderExcluir
  2. D+ mesmo confiança devia vir mesmo é com multa e fiança em caso de traiçao !!!!!!!!!

    Gildevan Romani

    ResponderExcluir
  3. Meu caro... eu sempre confiei como confio à moda mineira! Não consigo confiar plenamente nas pessoas, as vezes penso que é uma virtude afinal como dizem as Sagradas Escrituras "Ai do homem que confia no homem", outras vezes um vicio pois nos é dito que podemos confiar nas pessoas, ficando nesse dilema! Por isso prefiro confiar como os mineiros, porque assim me sinto livre e desobrigado de qualquer coisa. Estando atento no que fazem e dizem percebendo se me é benefico ou nocivo tendo tempo para sair pela direita!

    Como sempre maravilhoso texto que nos transporta à reflexão... Saibas que és dos poucos em quem confio... do contrário não estaria abrindo aqui este segredo!

    ResponderExcluir
  4. Hummmmmm, texto bem para pensar? em quem confio, ultimamente com noticias de mortes e picados de gente, falei em casa, fico até com um pé atrás confo nos filhos? Ou no pai deles?
    Trabalhei em uma firma Japonesa por cinco anos a Sony, e um dia meu gerente Falou, nós demoramos confiar e quando confiamos vamos até o fim.

    Bem quanto a mim confio nas minhas amizades ........espero estar certa, òtimo texto. Carminha

    ResponderExcluir
  5. Acredito na confiança em sua justa medida...
    Belo texto!

    ResponderExcluir
  6. Inicialmente eu confio. Mas comprovadamente traido (não por desconfiar), acaba a confiança definitivamente. Sem volta.

    ResponderExcluir
  7. Um vez quebrada, nunca mais resgatada!! Eu penso e sinto assim!

    Gina Guimaraes Bjks

    ResponderExcluir