Curta a página no facebook

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Criança feliz, é criança educada.

                Há uma tendência generalizada, a se achar que crianças são boazinhas, especialmente as mulheres com seus instintos maternais e estrogênio em abundância.

                Não são! Crianças são apenas bonitas. E olhe lá... Pois pequenos ogros estão por ai, e muitos deles em concursos de beleza infantil.

                Pais despreparados, mães culpadas por não terem tempo suficiente para se dedicar a eles, avós permissivos e encantados pelo feitiço incompreensível que os netos exercem sobre eles. Tios corujas, padrinhos deslumbrados em “ter” um afilhado.

                Todos cúmplices, todos criadores, mantenedores e fomentadores de pequenos egos que fermentam e crescem mais rápido que epidemias de conjuntivite no verão. Mais rápido que os próprios pequenos.

                Conheço dezenas de casos... A “princesinha” que pais, avós, tios, dia após dia diziam ser linda e ao ouvir repetidamente tais e tantos elogios, neles crê, e que fazem crescer no mesmo ritmo uma personalidade oposta ao elogio.

                O neto, já pré-adolescente que sempre morou com a avó, e que, após os pais separarem, cede à chantagem emocional da mãe, que o quis abortar, e vai morrar com aquela. Com ela assite filmes madrugada adentro, acorda ao meio dia, e vai almoçar... Na casa da avó. Após a sobremesa sai às carreiras e vai para lan house. Joga até o tempo acabar e retorna à casa da mãe. À hora do jantar liga ao pai que vai buscá-lo e, já jantado não se demora e volta à asa materna(?).

                Uma pequena miss diz a mãe que não quer que esta vá a festinha na pré-escola pois tem vergonha da mãe ser mais feia e mais velha  que as das coleguinhas. Pois que a mãe continue a incentivar a beleza externa e colha mais louros.

                Uma conhecida, de tempos atrás, dizia que para ser mãe se deveria fazer vestibular. É vero, os pequenos monstros, não domados, cada vez mais não tem que fazer esfoço para nada, para agradar ninguém. Apenas ser bonitinhos e engraçados...

                E antes QUE o texto fique ainda mais denso, vou concluindo com aquela “lindezinha de mamãe” que aos sete bem vividos anos disse à mãe noite dessas que não iria jantar, pois não queria ficar gorda como ela. Detalhe a mãe da “lindezinha” não pesa mais que 70 kilos distribuídos em seus cerca de 1.73m.

                São essas as que me despertam imensas saudades de Herodes...


                É óbvio que existem crianças lindas, educadas e simpáticas, muito queridas por todos e por estas, estão de parabéns os pais que lhe impõem limites, que lhes educam verdadeiramente, com conceitos morais e éticos, que ensinam respeito e bondade. Mas se não são assim... Não, não deixai que venham a mim as criancinhas...

14 comentários:

  1. Djair........realmente você pegou pesado rsrsrsrs
    Apesar de não ter experiências tão desagradáveis com crianças, sei que elas podem ser cruéis, o psiquiatra Angelo Gaiarsa já dizia....
    Para domar as ferinhas, deve-se incutir em suas cabecinhas princípios éticos e respeito ao próximo. Também nunca devevemos esquecer, para o bem da sociedade, que a criança de hoje será o adulto de amanhã. Bjs, Rayssa

    ResponderExcluir
  2. Oi Menininho
    Infelizmente nos deparamos com esses tipos de situações.penso que que os culpados são mesmo esses pais neuroticos, frustados que não conseguiram realizar certas coisas na vida e querem que seus filhos o façam por eles. Caso psiquiatrico !!!!
    Bjs
    Menininho

    ResponderExcluir
  3. Experimenta falar isso pros 'deseducadores'... Gosto muito do Icami Tiba que afirma que 'umas palmadas de vez enqto não fazem mal.

    Dangoh

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dangoh, já havia citado duas educadoras em um poeminha sobre o assunto: http://prajalpa.blogspot.com/2009/09/palmatoria.html

      Excluir
  4. cho q precisa educar adultos tb... Nao acha? Eh um ciclo vicioso... Ah, a culpa eh da baba-empregada-nha benta-da criadagem em geral, ne? Se nao eh competente troca por outra... E tocar no assunto 'mulher com filhos pequenos trabalhar fora' eh machista? Ai, ai... Poe na creche das 'tias'... Hum... Esse topico vai pegar fogo! Ai, prof. vira mae / mae vira amiga / que pensa que a prof.-mae tem a obrigacao de educar a amiga-filha... E desde qdo mae eh amiga? Mae deve desempenhar o papel de mae. Prof. o de prof. Amiga o de amiga. Assim eu penso, ne? Confusao de papeis q se arrasta ate na religiao. DEUS foi reduzido por essa geracao 'avivada' a algo parecido a uma maquina de coca-cola onde se poe uma moeda e escolhe o q tomar... O q te agrada somente...

    M.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daí, inventam frases de efeito do tipo 'eu determino' ou 'eu te desafio'... Outro dia, no meio da chuva forte, passava no meio da rua, numa noite escura, uma multidão guiada por um pastor de uma determinada igreja mto conhecida na TV. Ele gritava: 'eu Te determino, ó Deus, que abençoe o teu povo' e, também, 'eu te desafio nessa campanha etc etc'.
      Determino (mandar)? Desafiar (medir forças)?
      A geração atual cultiva o mandar e o ver quem é mais forte para satisfazer somente as suas necessidades e alegrias.

      Excluir
  5. Dja, o caso é muito mais sério do que a percepção do povo(principalmente da maioria dos pais)... E sem polemizar muito, pois que não tenho filhos, mas sim, olhos e ouvidos, fica aquela pergunta que alguém já fez: Ao invés de perguntar que mundo você vai deixar para os seus filhos, a pergunta deveria ser, "que filhos você deixará para o mundo???" ... Algo de muito errado está acontecendo!!

    ResponderExcluir
  6. Você é demais li auto e comecei a rir sózinha. Teve um aniversário meu que uma dita criança ........fez um escarcel durante o sarau de poesias....a tia nada fazia a vó também, como não aguentei, depois dela se jogar no chão e derrubar salgadinhos,dei um grito peguei pelo braço e disse chega.Até hoje penso quando esse anjinho vem na minha casa.A mãe e vó nem se mexeram........Beijos Carminha

    ResponderExcluir
  7. Querido Djair
    Faz tempo que não frequento este cantinho! Estava sentindo falta de seus textos agudos e divertidos sobre nossa (i)rrealidade cotidiana... A questão da (falta de ) educação é séria, premente e trata-se de um terreno onde entram não só as crianças como os ascendentes e prováveis descendentes desses petizes malcriados. Muito se fala sobre o assunto, mas pouco se faz, já que isso me parece um reflexo do esgarçamento do próprio tecido social. Fui levada aos incontornáveis trabalhos de Hannah Arendt sobre o assunto. Apesar de não ser especialista em educação, era uma fina observadora do mundo e nos alertava sobre a necessidade de "proteger a criança do mundo e o mundo da criança", no sentido de resguardá-la do assédio do novo. Por que isso? Porque o papel da educação e dos educadores era transmitir às crianças a tradição, entendida como a bagagem humana e cultural da humanidade! UAU! Se nossas crianças hoje são uns pequenos selvagens, sem limites e sem respeito por nada, talvez seja esse nosso legado às futuras gerações. Beijos

    ResponderExcluir
  8. Como dizia meu pai: Deve-se corrigir o filho em casa para que não seja preciso corrigir na cadeia.
    Fico pasma quando vejo no metrô, no ônibus..., criança de colo fazendo pirraça, até batendo no adulto, obrigando-o a fazer o que ela quer; e o adulto cede e dá aquele sorrisinho amarelo. Penso comigo: você merece esse desrespeito, hoje um tapinha, amanhã pode até te matar.

    ResponderExcluir
  9. Depois de tantas revisões conceituais que somos obrigados a fazer, ultimamente, creio que essa etapa da vida seja mais uma deles. Fico confusa quando estou perto de "certas crianças",porque ainda trago comigo referências que se perdem nas suas estratégias de manipulação, dissimulação, maldade, etc. Falo tudo isso e penso no meu sobrinho,um ser de 7 anos. Por conta de uma meningite que quase o levou a fazer a passagem, ele tem o pai no mais perfeito controle emocional e isso me apavora, confesso.A minha relação com o meu filho sempre colocou o meu "instinto maternal" em xeque, me sentia culpada por não ser igual às colegas,com todos aqueles adjetivos melosos( a exemplo) com seus filhos.Nem por isso eu o amei e amo em menor intensidade. Ser criança era para mim,apenas uma condição biopsicológica de sua vida,e isso não fazia de mim sua refém.

    ResponderExcluir
  10. Criança feliz,realmente é criança educada.Aquela que desde cedo é inserida aos valores éticos e morais,por mais que não saibam muito o que estes significam,aquela que ouve NÃO,aquela que é imposta a limites,aquela que os pais não alienam.Infelizmente,hoje vemos crianças distorcidas em toda sua plenitude de vida,por uma fragilizada educação(muitas das vezes,permissiva por demais).
    Beijão,Djair!Dani.

    ResponderExcluir
  11. Perfeito!!!! Prefiro não comentar pois está extremamente bem explicito!

    ResponderExcluir