Curta a página no facebook

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Vida de escola: trotes, apelidos, bola...

               Semana passada o texto do blog sobre bullying ficou na cabeça pelo resto da semana, outros “causos”  me vieram à mente... Alguns que na verdade mostravam o preconceito dos pré-conceitos sem nos darmos conta, como no caso da Dulcinéia, esta no primário, onde eu e um colega cujo nome se perdeu no tempo (não havia jingle com o nome dele para guardar na memória) atormentávamos Dulcinéia, morena lustrosa que já tomava formas de menina moça, e prometia ser uma mulata belíssima. Andávamos aos grudes os três, mas para atormentá-la, devido aos grossos lábios a chamávamos Mané-bicudo. E não satisfeitos, colocávamos as mãos no ombro contrário, formando com os cotovelos um “bico” que abríamos e fechávamos a cantarolar a “musiquinha” que  me fez gravar seu nome para a posteridade: “Eu não gosto da Dulcinéia, ela é Mané Bicudo.” Como vêem, a letra é de um primor absoluto, fundamental, primordial. Estávamos aí no terceiro ano primário do Grupo Escolar Padre Deolindo Coelho” em Coronel Fabriciano – MG.
 
                Lembrei-me também de Conceição, antiga vizinha, a quem devido o corpo de miss Etiópia (Sim eu sei, mais pré-conceito e piadinha de mau-gosto – como diria um personagem de humorístico televisivo : Ai como eu tô bandido!), mas voltando à magreza da Ceiça, a chamávamos de... “Esqueleto da maçonaria”, ao que a cada vez que seu Anthenor, vizinho nosso, que era maçon, ouvia, respondia: “Na maçonaria não tem esqueleto!”
                Daí fui as rememorações de colégio, e voltei ao velho Afonso Schmidt em Cubatão, e ao Jorge, inspetor de alunos que carregava um molho de chaves todo o tempo, na verdade acho que nasceu com ele, mas enfim... Ele o carregava chacoalhando o tempo todo, daí a alcunha de “Jorge Cascavel” foi um processo natural. E quando o colégio foi reformado, com entulho e escombros que sobravam por todo lado, fizemos dois “túmulos” juntando terra, restos de tijolos, etc... e colocamos uma cruz em cada um, com os nomes de outras duas inspetoras, Bia e Isabel... Jaime que era ótimo arrumou sabe Deus onde, um rato (enorme) morto que depositou sobre a cova simbólica de uma delas.
                Terminada a reforma, alunos convocados para ajudar a lavar o prédio “novo” num sábado. A farra de água foi bárbara, meninos contra meninas, lembro que corremos ao banheiro e elas não se intimidaram, Ana Angélica caindo na risada, apontando o mictório e perguntando pra que servia aquilo...

                Jogavamos “Malha” nos intervalos, que consistia em jogar bolas improvisadas, onde cada um só podia dar um toque na bola, e se, após o chute, ela batesse em alguém (ou se desse dois toques), essa pessoa era esmurrada até chegar em um “pique”. Os murros mais fortes sempre eram das meninas.
                Era um tempo bom, inocente, em que a classe inteira ia correndo para o refeitório, só para que a classe ocupasse todos os lugares, todo mundo junto. Na época circulava um comercial da Maggi, com o jingle (de novo essa palavra, sim, estou ficando repetitivo): “maggi, maggi, maggi, maggi para a mamãe eu sempre peço, caldo maggi é o segredo do sucesso! Maggiiii!!!” Pois bem, D. Lourdes, ou “tia” como todos a chamávamos, nos servia sempre de bom humor e era um doce; a Classe inteira nas quatro enormes mesas que compunham o refeitório e fizemos nossa homenagem com a versão adaptada da mensagem publicitária musicada (agora ficou bonito): “Vaggi, vaggi, vaggi, vaggi, vaggi para a titia eu sempre peço: A Lavagem é o segredo do sucesso! Vaggi!” Foi hilário ver a cara dela, que saiu correndo atrás de nós com uma colher de pau na mão!!!
                Bem, é isso, lembranças, acabou-se o que era doce... Mas ainda me rende gargalhadas só de lembrar... Vaggi!!



Foto: Internet Escola Estadual de Primeiro e Segundo Graus Afonso Schmidt
Autor: Marcelo Donizete Morelatto

9 comentários:

  1. Olá Djair, é sempre bom estar em contato contigo. Hoje ao ler este artigo, primeiramente ri muito, e, depois chorei de saudade. Nostalgia pura! Como diz Benito di Paula "Ah eu chorei quando saí lá de casa e enfrentei o mundo, eu chorei..." Que Deus conceda bênçãos sobre sua vida e preserve sua brilhante memória para todo o sempre. Beijos. Ana Angélica.

    ResponderExcluir
  2. TUDO QUE ME REMETE AO PASSADO ME FASCINA. ACABEI DE VIVER UM DELEITE LENDO A SUA CONVERSA FÚTIL.SOU SAUDOSISTA E GOSTO DE CAUSOS, ASSIM COMO GOSTO DE DEITAR EM UMA REDE PRA OUVI-LOS. PARABÉS!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Eita mulequinho espeto!!

    ResponderExcluir
  4. Que sorte a sua, teve liberdade para aprontar na escola.
    Pobre de mim que ao chegar em São Paulo, em tempo de ingressar na escola, me colocaram em colégio de freiras, Santa Lúcia Filipini na Freguesia do Ó...uóóóóó.
    Nada contar sobre travessuras, a não ser que, ao sair do colégio enrolar a saia no cós, para encurtá-la, seja travessura. rsssss

    ResponderExcluir
  5. q dez!!! gostei... vc não vai parar por aí né? rsrsr é bom lembrar de qdo acreditavamos q o mundo era só a nossa casa, o colégio e a rua onde brincavamos...deu saudade das minhas panelinhas...rsrsrs
    bjss
    Sil

    ResponderExcluir
  6. Bons tempos,hein..Infelizmente fui criada presa em uma jaula chamada apartamento,tive pouco contato com a civilização,kkkkkkk.
    Penso que nessa época era tudo mais inocente,tinha-se mais liberdade..Tudo era mais simples,mais belo,mais suave..
    Beijão,Djair!Um lindo sábado para ti.Dani

    ResponderExcluir
  7. kkkkkkkkk Nossa lendo suas recordações lembrei das minhas...lembrei ate q vc me fez uma pergunta um dia dese sobre minha sai do colegio e como disse era mais curta msm recebendo reclamçoes tds os dias por isso kkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  8. Tempo bom que não volta mais.... Do que as crianças brincam hoje?

    ResponderExcluir