Curta a página no facebook

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Labareda



Labareda

Calor que vem das chamas
Rebatendo o fresco vento leste
As estrelas a brilhar
Competem com a luz das labaredas
 
Nem junho é - dizem alguns...
É preciso que seja? Respondo eu.
Sempre fiz fogueiras
Sempre farei
 
Perto do fogo
Aconchegado no calor
Junto do fogo e do vinho
- iluminado...
 
A madeira ardente crepita
Sobrinhos ao lado
Conto histórias
De trancoso* e de fadas
 
A água
Apaixonada pelo fogo
Se aproxima (por cima)
E do céu desce
 
O sereno lento cai
E encontra a chama
No beijo voluptuoso
Se consomem
 
O tempo, senhor das horas corre
As crianças e mais velhos se recolhem
Fico só. Ou não...
Eu, o fogo e o vinho
 
E sinto-me iluminado
Como hippies, como hindus
Como adoradores de fogo da idade média
Ou cuspidores de fogo dos circos
 
E ouço no silêncio
Apenas a madeira crepitando
Chorando a arder
E se transformando em algo também belo
 
Talvez pela embriaguez do vinho
Um sentimento de solidão
E ao mesmo tempo de acolhimento
E só quero estar ali.
 
Perto do fogo
Aquecido
Abandonado
Querido
Inebriado.



* A expressão histórias de trancoso, denomina histórias de encantamento, de autoria desconhecida ou lendas e crendices. As histórias de trancoso independente de autores recebem esta denominação, tem tradição oral e serviram como inspiração para muitas obras da  literatura de cordel.


8 comentários:

  1. Curioso. Já me senti assim mais de uma vez. Algumas apenas eu e o vinho, outras apenas eu e o fogo (se alguma vez esteve apenas o vinho e o fogo, jamais saberei. Não estava lá!).
    Outras vezes, nem vinho, nem fogo. Apenas eu e uma multidão. Ora estranhos, ora conhecidos, ora estranhos conhecidos (ou seria conehcidos estranhos?). Mas a solidão era a mesma.
    São ocasiões gloriosas que temos para pensar. Na vida, na nossa vida, no Todo.

    ResponderExcluir
  2. Olavo Veras Filho19 de julho de 2010 20:02

    Quando lí essa poesia aqueceu minhas lembranças,aqueceu meu coração! Ao fogo me joguei,ao vinho me afoguei,à música me encantei,ao aconchego me abracei...Não senti o sereno,mas senti o amanhecer!!!

    ResponderExcluir
  3. Espero que um dia eu tenha um momento de solidão mágico assim... Viajei.......

    ResponderExcluir
  4. Transporte puro! Beijos

    ResponderExcluir
  5. bom ...sem palavras há coisas que nascem conosco e esse dom nasceu com vc ...

    bela poesia !

    ResponderExcluir
  6. Sereno eu ca eu cai
    Sereno deixa cair
    Sereno da madrugada
    Não deixa meu bem dormi.........

    Amo amo com fogueira e sem fogueira

    Carminha

    ResponderExcluir