Curta a página no facebook

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Caídos do Céu

Esta semana ia falar sobre a escrotidão humana, sobre a arrogância e prepotência, mas... não vale a pena, vale?

A escritora austríaca Marie Von Ebner Eschenbach já disse: "Quem cede é o mais inteligente. Nisso se baseia a dominação universal da estupidez".

Fazer o quê?

Bem...

Falarei de um filme, um filme peruano, que assisti há vários anos, mas que ainda hoje está entre meus favoritos. E soube, informalmente que iria ser apresentado em uma mostra de cinema latino, então, caso isso se confirme avisarei aqui aos que possam interessar-se.

Caídos do Céu / Caídos del Cielo - Dirigido pelo peruano Francisco Lombardi. Ficção. 119 Min. Peru/Espanha. 1990.


Sempre gostei dos filmes crus, que mostram a realidade pura, ainda que em obras de ficção. Claudio Assis, em Amarelo Manga e ainda mais em Baixio das Bestas, sabe fazer isso como ninguém, por aqui. Baixio das Bestas mostra um nordeste tão real que sai do cinema tenso e assim permaneci por horas. Almódovar antes de "Oscars" e outras tantas premiações chegava a tanto, continua fabuloso, continuo fã, mas já está bem diluído do Almódovar de uma década.

Mas enfim, vamos a "Caídos do Céu".

Três histórias são contadas paralelamente e humor, tragedia social, amor e conflitos são apresentados escancaradamente em cada uma das histórias, que mostram três gerações, na Lima (Peru) doa anos 1980.

Dois idosos outrora abastados, mas arruinados pelas reformas políticas e sociasi dos anos 1970, perderam o filho, e vivem de alugueis, um dos quais o inquilino é um radialista que se envolve com uma mulher em um relacionamento inusitado e conflituoso.

Enquanto isto, duas crianças que vivem com a avó idosa, cega, e marcada pela desventura, são envolvidas por ela mesmo em um ambiente de revolta, violência e desesperança.

É um filme para estomagos fortes, e acredito, extremamente desaconselhado para uma doutoranda de cinema da Éca, com quem conversei certa vez, à época do "Carandiru", de Hector Babenco, dizia ela: "_Ah, mas o Brasil não devia fazer esse tipo de filmes, a gente (sic) tem tanta coisa bonita pra mostrar." Bem, era ela a doutoranda, e diante deste argumento melhor calar...

Caídos do Céu é um filme sobre como se sobrevive, quando a vida é tirada, quando pouco resta além de manter em pé o corpo. Um livro sobre "sinas" porque destino é outra coisa.

O trailler de caídos do Ceú pode ser visto em: http://www.youtube.com/watch?v=mXc16TmT9Z0&feature=player_embedded#%21


Ilustração: Cartaz de divulgação do DVD - imagem da internet: http://www.quedepeliculas.com/cartel-200801/200801112107_02187400-pelicula-caidos-del-cielo.jpg

3 comentários:

  1. Amarelo Manga, depois de assistir passei a duvidar do meu QI. Depois do seu "post" constato: beiro os 60.
    Já o Baixio das Bestas é, de fato, o nordeste nu e crú, como relatos que ouvia da "peãozada" que trabalhou comigo na década de 80. Caídos do Céu, assim que houver oportunidade irei assistir.

    ResponderExcluir
  2. Realmente são filmes excelentes, e o Caídos do Céu, que tive oportunidade de assistir na TV, em uma mostra da TV Cultura é preciosissímo.
    Só discordo quanto ao Almódovar, acho que ele não se dilui, apenas tornou-se mais complacente com seus personagens, fruto, talvez do amadurecimento.

    Zi

    ResponderExcluir
  3. Puxa! Está cada dia melhor, mais maduro!
    Vou indicar pra Vânia, acho que ela se perdeu de você no Orkut.
    Me diga uma coisa, tem até trilha sonora?

    ResponderExcluir