Curta a página no facebook

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Colocando mais um texto no ar.

E não adianta: tem dia que não sai nada, você pensa em vários temas, procura daqui, fuça de lá, mas a musa não aparece. Onde é que foram parar todas aquelas estórias que há pouco se faziam apresentar como ótimas ideias para um texto novo? Não sei, fugiram estropiadas, esconderam-se entre escombros, abismos.
 
Nenhuma palavra de ordem, seja de movimento libertário ou carcerário, nada se impõe, nada fixa ou atravessa dando luz, ou sequer fazendo sombra. Almas não deixam rastros, por mais que se digam que algumas delas arrastam correntes. E talvez aí esteja um mote, já que me ocorre que a mais das vezes quem carrega correntes são os vivos, gente que se agarra a elas e se escraviza, prendendo-se, fixando-se em realidades que dizem não gostar: o emprego tosco, os carguinhos de merda das pequenas chefias, os que se ufanam de ser chefe de nada; os pequenos poderes que podam vidas alheias, os martírios de casamentos infelizes nos quais a coragem de se separar e de se jogar na pista pra negócio não vem, pois o acomodamento a uma relação fracassada em que não se suportam as mútuas presenças é mais interessante a certos olhares padrões que arriscar, que perder tudo (o quê? malas e sacos de infelicidade compartilhada?), e começar do zero, com a possibilidade de ser feliz...

E o texto que começa sem um rumo vai tomando o seu próprio, tomando emprestadas as correntes desses vivos (?) que as arrastam, mas usando-as para acorrentar uma narrativa fugidia, que sem um élan arrebatador toma emprestados sentimentos em tom talvez de crítica ou de alerta, e não tem exatamente um fogacho narrativo, mas que cresce aqui e ali, quando vemos que as correntes podem ter utilidades outras, como as que se prendem às realidades passadas ou a futuros fantasiosos, como forma de suportar realidades das quais ainda não se consegue fugir.
Correntes são feitas de elos, e um ou outro sempre é um elo fraco que se pode arrebentar. Guimarães Rosa disse: “Qualquer amor já é um pouquinho de saúde, um descanso na loucura.” E esse amor não surge necessariamente por uma outra pessoa, nem por si próprio, mas por um objeto, um animal, um prato; é um recreio, que sana, que faz com que a vida pulse, ainda que a chama sofra pelos ventos que uivam e ameaçam apagá-la. Mas se até o amor for causa de uma situação insuportável, as correntes se tornam grilhões, essas correntes são escravizantes e não porto seguro. Liberte-se então, anarquize-se, seja!



6 comentários:

  1. Muitas pessoas associam o emprego, o casamento, o namoro, preso a uma bola de ferro. Sempre pensei nisso depois que ouvi Ball in Chain da Janis Joplin. Acomodação, como você disse caro Djair. Quando vejo que outras pessoas são assim também me conforto, pois muitas vezes bate um sentimento como se somente eu fosse acomodado, rs.
    Voltando um pouco na primeira linha do texto... "E não adianta: tem dia que não sai nada"...
    Bem eu
    Abraço Baratta

    ResponderExcluir
  2. Isso mesmo menininho vamos nos libertar das amarras do mundo
    bjs
    Ritinha

    ResponderExcluir
  3. Olá Djair! Muito boa noite!
    Fiquei embevecida com suas palavras e todo o conteúdo do seu texto!
    Escreve bem demais! Nossa!
    Sem contar o conteúdo riquíssimo que dá direito a várias interpretações!
    Eu venho tentando me libertar há tempos e aos pouquinhos, estou conseguindo! :D

    Adorei estar aqui com você!
    Beijos e um ótimo restinho de semana!

    ResponderExcluir
  4. Olá meu amor...como sempre vc é brilhante...amei o texto.
    Já me devencilhei de algumas amarras...deixei os prejuizos pra trás...agora vivo a vida da melhor maneira que posso.
    Bjao querido com muito carinho...amo vc.
    Soni@

    ResponderExcluir
  5. Amei o texto em toda sua configuração,mas a última estrofe é linda demais.Eu costumo dizer que nosso espírito precisa voar,se libertar de um corpo que por muitas vezes,se encontra desanimado,quase cadavérico.Não há algo melhor do que a anarquia da alma.Até quando você não consegue pensar em uma boa estória para pôr no ar,já é uma forma de libertação,que se torna em perfeição,como esse texto libertador.

    Lindíssimo texto,Dja!
    Beijão,Dani!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem onde está escrito estrofe,leia-se parágrafo;apesar de seu texto não deixar de ser uma poesia.

      Excluir