Curta a página no facebook

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Indumentárias e Carapuças

       Estranhamente, observo que as pessoas que mais criticam aparência, física ou vestuário, e comportamento de outras pessoas, são as que menos toleram quando são elas as criticadas. Estão sempre a dizer: “Nossa, porque você não pinta o cabelo?”, “Porque você não corta o cabelo?” e ai se em uma hora de completa necessidade de mudança, você resolve fazer algo do gênero, aí estarão a comentar: “Nossa!... Eu preferia sem pintar.”, “Pôxa, porque cortou? Estava tão bonito.” E por aí vai... Nunca estarão satisfeitos, seja com seu cabelo, sua pele, se você engordou, se emagreceu, se está com a roupa toda combinando ou com estilo e cores completamente destoantes.


Mas ai de ti, se resolver dar um palpite em sua indumentária ou estilo. Joga-os lentamente no lodaçal da depressão e ao afundar apoiam o pé na fossa abissal da ira, que irão destilar a terceiros. “Porque ele (a) disse isso e aquilo, mas não se enxerga mesmo... E isso, e aquilo, e aquilo outro...” 

Tem gente que se enfurece na hora e parte pra briga, se não física, pela batalha verbal que geralmente fazem sós, uma vez que a outra parte em geral, cede. 

     Mas logo vem novo comentário em cima de uma vítima mais recente:”você viu a roupa da fulana?” 

                E me remetem a música de Rita Lee que diz: “Elas pecam pelo excesso e morrem pela falta.” Excesso de comentários maliciosos e falta de pudor em declará-los publica e acintosamente, sabendo que não causaram outro efeito que a infelicidade do comentado. Ou talvez o objetivo seja realmente esse. 

                E no mundo atual que julga a tudo e todos pela aparência, o comum é realmente se comentar: viu a blusa? O corpete, a calça? A cueca? Não que eu ache uma cueca aparecendo ou uma barriga (enorme) a pular fora da blusa algo bonito. Aliás, conheço pessoas que se recusavam a sentar em determinado local à hora do almoço porque quem passasse por aquele lado (atrás das pessoas em questão) iriam ver seus “cofrinhos”... Oras, mas a intenção de um calça apertada de cintura extremamente baixa não é essa? Mostrar...? 

                E isso me recorda Danusa Leão na primeira edição do seu “Na sala com Danusa”, que dizia algo mais ou menos assim: “ Se você ver alguém de zíper aberto, avise. Mesmo correndo o risco de estragar a performance da pessoa em questão.”


Foto:  Djair - monumento ao "Cabeça de Cuia"- Encontro das Aguas -  (rios Poty e Parnaíba) Teresina -Piauí.

12 comentários:

  1. O importante é ser feliz! O resto, é apenas resto.

    ResponderExcluir
  2. A propósito, Di, porque não pinta o cabelo?
    Pergunto isso apenas para te provocar, embora sabendo que não provoco.Você bem sabe que não dou a mínima para o que dizem. Como disse Rubem Alves "Já não tenho tempo para lidar com mediocridades..." e Mário de Andrade "Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa..."

    ResponderExcluir
  3. Nossaaaaaaa!!!!!
    é incrível como em nosso dia a dia sempre nos deparamos com uma pessoa assim, mas não tem problema, por mais que falem, por dentro se corroem de inveja por não conseguirem ser FELIZES como nós!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Tenho uma resposta para esse tipinho de gente reparadeira: - sou molamba assumida, me inscreva no Esquadrão da Moda! Quem vai ganhar 10 mil em compras sou eu!

    ResponderExcluir
  5. Como digo para uma amiga no trabalho: "Se fizer isso, vão comentar, se não o fizer, vão comentar. Então faça o que acha certo e ignore-os". E ainda completo: "Se falam mal de você é porque você é melhor que eles. Só se critica quem está acima, quem é melhor, que se destaca, não é apenas mais um".

    ResponderExcluir
  6. Pois é Djair, eu que o digo... Ou não, pois de mim nada chega a mim.

    ResponderExcluir
  7. Sinto isso na pele de vez em quando. Eu não sigo nenhuma moda. Eu faço a minha. Se combino tudo e não está na moda, se uso cabelo comprido mesmo com a minha idade, se me acham perua... não estou nem aí! A inveja é a arma dos incompetentes. É uma aversão ao que o outro tem e a própria pessoa não tem. É querer ser maior e melhor que todos, não podendo suportar que o outro seja. Enfim, quem critica, lá no fundo, cobiça. Como o ditado: "quem desdenha quer comprar". O que importa é você se sentir bem.

    ResponderExcluir
  8. Língua afiada para palpitar na aparência ou comportamento alheio nada mais é do que uma inveja mal disfarçada!

    ResponderExcluir
  9. Tem um ditado q diz: "Macaco Socó senta em cima do próprio rabo pra poder falar dos outros". Não é um ditado simpático nem "fino" mas... não precisa dizer mais nada, né?

    ResponderExcluir
  10. Hum...
    Quem fala mto do outro quer é desviar a atenção que poderia estar voltada para ela mesma. E por que quer passar despercebida? Complexo de inferioridade/baixa estima? Se fala mal para se afirmar (a toda a hora) que ela não é daquele jeitinho mas... melhor. No fundo são umas coitadas...
    Quem fala mais?
    Abs.

    ResponderExcluir
  11. Hum...
    Assunto complexo e que possivelmente dê origem a debates dignos de [Off Topics]!
    Sei lá, sei lá, só sei que admiro pessoas transparentes (como eu \0/), que quando tem que falar, bem ou mal, falam na cara! Pessoas que literalmente dão a cara à tapa em qualquer circunstância e diante de quem quer seu seja!
    Aliás, dar a cara à tapa é uma arte e nem todo mundo tem esse dom!
    Parabéns meu caro amigo, por mais uma vez tocar nas feridas mais profundas, e em algumas ocasiões, sutilmente nos lembrar da arrogância e prepotência humana, assuntos que muito me interessam, e que, se quiserem debater comigo, estou aqui, ali e acolá, sempre pronta para o que der e vier!... kkkk

    ResponderExcluir
  12. Como diz a cantora Pitty em uma de suas músicas: O importante é ser vc mesmo q seja estranho...bizarro...

    Esse meu amigo Djair deveria ter uma coluna em um desses jornais conceituados, cada texto maravilhoso e verdadeiro!!!!!!

    ResponderExcluir