Curta a página no facebook

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Perguntas que não querem calar.

Hoje pela manhã, ao tomar o metrô, lotado como sempre, e com maior tempo de paradas nas estações pra variar, me deparei com um poster da propaganda deste serviço: o cartaz do expansão metrô. E me retornaram as questões...

  • O governo do Estado de São Paulo divulga a largo que tirou do papel 15 estações de metrô e trens... Mas se o mesmo partido está há mais de 15 anos no governo do Estado, então... Quem as colocou no papel?

  • Por que na cidade de São Paulo estações de metrô são inauguradas apenas nos anos de eleições, ou no final do ano que as antecede?

8 comentários:

  1. Vitor Tonini Machado11 de junho de 2010 08:32

    É tudo jogo político, você sabe. Não me pergunto mais por que as coisas são assim?

    As perguntas que faço com frequência são:

    O que eu devo fazer frente a isso?
    Por que não faço nada?
    Devo me preocupar?

    Eu não sei... As vezes pego-me indignado, mas a revolta dura pouco. Acho que isso e assunto macro demais para pensamentos individuais.
    Amanhã mudo de opinião.

    ResponderExcluir
  2. Viajei mais de 4500km por Mato Grosso do Sul, curiosamente várias estradas estavam sendo recapeadas, ou apenas pintadas de preto, já que o asfalto é tão fino, outras, apenas com placas indicando a obra (que não acontecia), pelo mesmo motivo.
    A greve do judiciário: levou dois anos para as associações perceberem que os funcionários não tiveram aumento salarial. Curiosamente os presidentes de algumas delas (são mais de uma) sairão candidatos a Deputado.
    Conhecidências da vida... jamais políticos iriam apenas inaugurar obras só para fins eleitorais. Primeiro o interesse da população.
    PS: o prefeito de São Caetano do Sul inaugurou uma pré-escola depoisda reforma da mesma.

    ResponderExcluir
  3. Não é nenhuma novidade que a educação no estado de São Paulo se degradou nos últimos 10 anos e que o governo não conseguiu cumprir nenhuma das suas metas (colocadas no papel pelo próprio Alckmin, não pelo Gasparzinho, como no caso da expansão do metrô)
    Aliás, essa situação teve inicio no governo de Mario Covas em 1995, onde foi implantado o ridículo sistema de progressão continuada.
    Com base no descaso e incompetência dos tucanos com respeito à gestão da Educação no Estado de São Paulo, segue abaixo algumas perguntas que não querem calar:
    1- Por que o Serra tem aproximadamente 37% das intenções de votos (segundo o Ibope de 05/06)?
    R: A maioria desse pessoal não tem filhos em idade escolar!
    2- E os que têm filhos em idade escolar, por que pretendem votar no Serra?
    R1: Nunca visitaram uma escola Estadual de São Paulo.
    R2: Consideram “chique” colocar seus filhos em escola particular e acham que escola pública é coisa de pobre.
    3- Por que algumas pessoas anulam o voto ou preferem justificar uma ausência desnecessária à votação?
    R: Estas criaturas são alienígenas e não sabem nem o que estão fazendo nesse planeta.
    Essas respostas são meramente ilustrativas (não servem como sugestão de consumo...rs)! São questões que merecem reflexões mais profundas e sei lá... mil coisas...Eu não entendo nada de política...

    ResponderExcluir
  4. Concordo em parte, acho que votar nulo, dependendo de quem são os candidatos, pode até ser a única forma legítima de expressar insatisfação. De se mandar digno diante de um cenário insalubre.
    Já justificar sem necessidade, apenas para não votar, acho tosco, conheço gente que se diz preocupada com a situação política, socio-econômica e cultural do país, e sequer se digna a transferir o título para ter como manifestar essa preocupação com um voto consciente. Ou seja, não está nem ai pra nada, e fica a posar de preocupado com o país, com a cidade...
    Ora, tenhamos então menos cara de pau e assuma-se desisteressado e apolítico.

    ResponderExcluir
  5. Concordo plenamente com a Isabel. Eu sou Professora do Estado e quando instituíram essa lei de Progressão Continuada, a educação está uma lástima. E foi no Governo PSDB que começou isso, com o São Covas!!! Realmente, Djair, até parece que o metrô estava parado por causa de governos anteriores. Ué? Não eram eles mesmos ???? !!!! ....

    ResponderExcluir
  6. Por AE, Agencia Estado, Atualizado: 1/7/2010 10:50

    Cinco estações da Linha 4 do Metrô-SP vão atrasar
    Ao contrário do que a população imagina e do que o próprio governo estadual promete, a entrega de cinco estações da Linha 4-Amarela do Metrô, prometidas para 2012, não tem mais prazo. Isso porque as obras civis e o acabamento delas não fazem parte do contrato de construção dos 12,8 quilômetros e das 11 estações do ramal considerado mais moderno de São Paulo.


    A licitação que escolherá a empresa que fará as obras nas estações intermediárias Fradique Coutinho, Oscar Freire, Higienópolis, Morumbi e Vila Sônia nem sequer foi lançada. A vencedora também deverá construir um terminal de ônibus ao lado da futura Estação Vila Sônia. Ele será o principal ponto de integração com os ônibus municipais e intermunicipais.


    Imagina-se que, depois que o edital estiver pronto, o processo de licitação se encerre em pelo menos 90 dias. Isso sem contar os prováveis recursos e ações judiciais que costumam emperrar obras. O projeto deve demorar pelo menos mais 24 meses. Conclusão: algumas das estações mais importantes da Linha 4 só deverão estar prontas em 2012 - e o Metrô já fala em concluir a obra em 2013.


    A segmentação da obra em vários editais de licitação é possível e está amparada por lei, conforme o professor de Direito Constitucional da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) Pedro Serrano. "Depende do estudo econômico e técnico para o projeto. E essa avaliação dá fundamento para o desmembramento, não há problema", afirma. Serrano destaca ainda que o critério a ser seguido para dividir uma obra em várias partes é de responsabilidade fiscal. Outra possibilidade para dividir a obra em várias licitações em momentos diferentes seria a impossibilidade de se efetuar o pagamento dos serviços prestados de uma só vez.


    Procurada, a companhia não explicou a razão de ter segmentado a obra da Linha 4 nem mostrou a projeção de gastos com a nova concorrência. A primeira etapa já custou mais de R$ 2,3 bilhões. O Metrô afirma, no entanto, que as obras da segunda fase não interferirão na operação da primeira fase. "A previsão é de que as estações da segunda fase sejam entregues no fim de 2012/início de 2013." A primeira etapa, que já teve a abertura das Estações Paulista e Faria Lima, conta ainda com Butantã, Pinheiros, República e Luz. A previsão do Metrô de inauguração dessas quatro últimas é até o fim de 2010. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    ResponderExcluir
  7. Por AE, Agencia Estado, Atualizado: 1/7/2010 10:50
    Cinco estações da Linha 4 do Metrô-SP vão atrasar
    Ao contrário do que a população imagina e do que o próprio governo estadual promete, a entrega de cinco estações da Linha 4-Amarela do Metrô, prometidas para 2012, não tem mais prazo. Isso porque as obras civis e o acabamento delas não fazem parte do contrato de construção dos 12,8 quilômetros e das 11 estações do ramal considerado mais moderno de São Paulo.


    A licitação que escolherá a empresa que fará as obras nas estações intermediárias Fradique Coutinho, Oscar Freire, Higienópolis, Morumbi e Vila Sônia nem sequer foi lançada. A vencedora também deverá construir um terminal de ônibus ao lado da futura Estação Vila Sônia. Ele será o principal ponto de integração com os ônibus municipais e intermunicipais.


    Imagina-se que, depois que o edital estiver pronto, o processo de licitação se encerre em pelo menos 90 dias. Isso sem contar os prováveis recursos e ações judiciais que costumam emperrar obras. O projeto deve demorar pelo menos mais 24 meses. Conclusão: algumas das estações mais importantes da Linha 4 só deverão estar prontas em 2012 - e o Metrô já fala em concluir a obra em 2013.


    A segmentação da obra em vários editais de licitação é possível e está amparada por lei, conforme o professor de Direito Constitucional da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) Pedro Serrano. "Depende do estudo econômico e técnico para o projeto. E essa avaliação dá fundamento para o desmembramento, não há problema", afirma. Serrano destaca ainda que o critério a ser seguido para dividir uma obra em várias partes é de responsabilidade fiscal. Outra possibilidade para dividir a obra em várias licitações em momentos diferentes seria a impossibilidade de se efetuar o pagamento dos serviços prestados de uma só vez.


    Procurada, a companhia não explicou a razão de ter segmentado a obra da Linha 4 nem mostrou a projeção de gastos com a nova concorrência. A primeira etapa já custou mais de R$ 2,3 bilhões. O Metrô afirma, no entanto, que as obras da segunda fase não interferirão na operação da primeira fase. "A previsão é de que as estações da segunda fase sejam entregues no fim de 2012/início de 2013." A primeira etapa, que já teve a abertura das Estações Paulista e Faria Lima, conta ainda com Butantã, Pinheiros, República e Luz. A previsão do Metrô de inauguração dessas quatro últimas é até o fim de 2010. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    ResponderExcluir
  8. Por AE, Agencia Estado, Atualizado: 1/7/2010 10:50
    Cinco estações da Linha 4 do Metrô-SP vão atrasar
    Ao contrário do que a população imagina e do que o próprio governo estadual promete, a entrega de cinco estações da Linha 4-Amarela do Metrô, prometidas para 2012, não tem mais prazo. Isso porque as obras civis e o acabamento delas não fazem parte do contrato de construção dos 12,8 quilômetros e das 11 estações do ramal considerado mais moderno de São Paulo.


    (...) O projeto deve demorar pelo menos mais 24 meses. Conclusão: algumas das estações mais importantes da Linha 4 só deverão estar prontas em 2012 - e o Metrô já fala em concluir a obra em 2013.

    (...) Procurada, a companhia não explicou a razão de ter segmentado a obra da Linha 4 nem mostrou a projeção de gastos com a nova concorrência. A primeira etapa já custou mais de R$ 2,3 bilhões. O Metrô afirma, no entanto, que as obras da segunda fase não interferirão na operação da primeira fase. "A previsão é de que as estações da segunda fase sejam entregues no fim de 2012/início de 2013." A primeira etapa, que já teve a abertura das Estações Paulista e Faria Lima, conta ainda com Butantã, Pinheiros, República e Luz. A previsão do Metrô de inauguração dessas quatro últimas é até o fim de 2010. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    ResponderExcluir