Curta a página no facebook

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Cabelo, pra que te quero?

Quando criança, colecionava figurinhas nos álbuns, sem jamais ter completado um. Vieram selos, postais, cartões telefônicos, mas ali, pela sétima série comecei uma bizarra coleção de... cabelos.

Sim, fios de cabelos. Colocava-os em um caderno, com um durex, adicionando data e a quem pertenciam, fios pequenos, longos, louros, escuros, naturais em sua maioria já que, àquele tempo a tintura, não era algo tão difundido, entre a mulherada. A grande maioria dos fios provinha das colegas de colégio, mas também de vizinhas, primas, e mesmo professoras, Marisa, Bartira, etc. Tinha de várias, às vezes colhidos nas costas, fios que caíam, às vezes pedidos e dados gentilmente; outras vezes um puxãozinho inusitado me propiciava o troféu...

Naqueles dias, eu justificava a coleção como sendo um pedacinho da pessoa que ficava comigo. Obviamente, ideia colhida de uma música muito difundida em rádios e programas televisivos da época:  “Fio de cabelo”, de João Mineiro e Marciano, onde o verso do refrão diz:
 
 "E hoje, o que eu encontrei
Me deixou mais triste 
Um pedacinho dela que exite
Um fio de cabelo no meu paletó..."

Não sei com quantos fios contava, aliás com quantas amostras, já que de algumas tinha vários fios, formando uma pequenina mecha de três, cinco cilindros de espessura fina, como diz outra música “Cabelo”, de Arnaldo Antunes e Jorge Ben. O fato é que já ia longe no caderno de 200 páginas, e àquele dia, pedi o fio a uma colega, com quem tinha já uma aproximação e que estudava na sala em frente à minha. Não lhe lembro o nome, nem o diria se lembrasse; era lourinha, branquinha, bonitinha, como diz uma conhecida: tudo “inha”. E obtendo o consentimento, tirei-lhe o fio, da parte de cima da cabeça; foi dali, daquela região logo acima da testa, que me veio o fio finíssimo e dourado, acompanhado de um pequeno, pequeníssimo anopluro. A caminhar sobre aquele fio amarelo, o pediculus capitis me causou tal desconforto que agradeci, desconversei, e não sei muito bem como saí dali, provavelmente tendo deixado o fio cair no corredor.

Foi o que bastou; todos os pedacinhos das pessoas foram jogados fora e assim acabou-se a coleção. Como diria uma colega, deu-me um “nojinho”... Sem revelar o santo, cheguei a contar o milagre a alguns que me perguntaram pela coleção. Não sei se era crível, uma vez que eu mesmo a acho inusitada, mas como diria Chicó*: “Só sei que foi assim”.



* Personagem de Ariano Suassuna presente em “O auto da compadecida.”

Foto: Internet - "Natasha Moraes de Andrade " disponível aqui.
Clicando nas palavrinhas azuis você pode ouvir as músicas citadas.

4 comentários:

  1. Vc devia ser um terror puxando os. cabelos dos outros. Vai ver o tal anopluro foi castigo kkkk. Mas que azar hein? Tanto cabelo e vc ser premiado no fio. Ou vai ver a pobre moça estava com a cabeça infestada. Realmente, nojinho. Se um dia resolver retomar a coleção mando uns fios pra vc. Mas já aviso que tem tinta. E tinta mata os insetos, não se preocupe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, então é por isso que o surto de piolhos no Brasil teve fim, hoje todo mundo tem cabelo pintado... rsrsrs Pode deixar que se reiniciar a coleção os primeiros fios serão os seus! Beijão

      Excluir
  2. Você tinha era fetiche... rsrsrsrsrs

    ResponderExcluir