Curta a página no facebook

sexta-feira, 22 de março de 2013

A multiplicação do peixe


Hoje, sexta feira da quaresma, segundo a igreja católica não é dia de comer carne, ainda que, a cada dia, creia menos em religiões e em seus dogmas, mas gosto dos ritos, gosto da tradição e por isso ainda mantenho algumas, a de não comer carne vermelha às quartas e sextas-feiras da quaresma - período de 40 dias que se segue após o carnaval, tendo inicio na quarta-feira de cinzas e que se conclui com a páscoa cristã, ou mais exatamente à sexta-feira santa. Não devia fazer tanta explicação ao leitor, sobretudo quando escrevemos a partir do maior país católico da atualidade e que tende a ampliar ainda mais seu eleitorado, ops, seu rebanho, por assim dizer, com o novo papa, eleito há poucos dias e que deve superar a todos os antecessores em popularidade e efeito midiático.

Bem, não se comendo carne vermelha resta-nos o quê? Aves, ovos e peixes... E é sobre este último o texto de hoje.

Peixes, ainda que muitos não apreciem, ainda que o cheiro deles quando crus seja horrível, eu adoro a iguaria. E olhe que quando morava na Cerqueira César, bairro da região da Paulista, em frente ao prédio - Condomínio San Martín - havia às quintas-feiras, exatamente aquilo que é o pavor de muitos, uma barraca de peixes, à frente do portão. E, ao chegar em casa, vindo do trabalho, por volta das 18:30, embora a feira tivesse terminado as 14:00hs e a rua tivesse sido lavada, o cheiro ainda estava ali... Não, não, caro leitor, esse não era o pior dos males, o pior era o cheiro de peixe que vinha dos apartamentos vizinhos, à noite, naquele mesmo dia, em especial o de um vizinho coreano, que não sei (graças aos Deuses - todos eles!!) o que colocava no peixe para dar um cheiro tão “inapetecível” quanto àquele. Mas o que importa realmente são os bons e belos peixes que comi. E sobre eles tenho mais algumas palavras.

Creio que o mais saboroso deles tenha sido em Calhetas, praia estreitinha, de azul inebriante que se funde com o do mar, em Cabo de Santo de Santo Agostinho, próximo a Recife. A imagem daquele peixe, que não sei qual era, grelhado, enorme, crocante, me faz salivar. Mantêm-se viva há pelo menos duas décadas, época em que aquela praia ainda era pouco conhecida e frequentada. A imagem vívida do peixe traz também a comicidade de um garçom, rapaz simpático que na mesa vazia, ao lado da minha, serviu uma cerveja a seres invisíveis, em dois copos. Volta e meia, entre eu e mais dois casais, os únicos no bar, ele vinha e bebia um gole, na certeza de disfarçar a escapadela para bebericar um pouco.

Grelhados saborosíssimos eram também os tambaquis do São Francisco, em Penedo, AL. Servidos sobre rodelas de tomates e folhas de alface, num quiosque improvisado à beira do rio. A única coisa desagradável era o som dos boçais que estacionavam seus carros e colocavam o som em último volume numa refrega titânica. Mas isto já esta descrito nas postagens sobre Penedo, assim como os pargos fritos de João Pessoa estão no texto “Jampa”, aqui mesmo neste blog, então quem se interessar, é só utilizar o botão de “pesquisar neste site”.

Aqui em São Paulo ultimamente virou moda o tal pangásio, peixe asiático, importado do Vietnã... É, com uma costa deste tamanho e rios em tal abundância, importamos peixe... Mas este é realmente saboroso e desbancou a merluza, que em geral evito.

Há uma semana, em Teresina, um delicioso filé de pescada amarela, grelhado e depois coberto com molho de camarão e servido na telha quente, já me desperta saudades, as mesmas que sinto em relação a  Júnior e Marconi que me conduziram.

Em Ubatuba, na última semana de junho, acontece a festa da tainha, que termina no dia 29, dia de S. Pedro, padroeiro dos pescadores - olha a igreja católica aí de novo gente!!! - e que o leitor leia isto com entonação de puxador de samba enredo. Foi de lá que passei a fazer o tal peixe, que ali é grelhado; faço ao forno, assado em folha de bananeira e recheado de farofa. Infelizmente hoje a coisa se profissionalizou por lá e ganhou espaço próprio, quando nos primórdios era feito na própria ilha dos pescadores - onde ficam as peixarias mais antigas e o mercado de peixe - pelas mulheres daqueles, portanto mais rústico, mais improvisado, mais gostoso.

Já em Toledo, PR, o negócio é file de tilápia, fresquinho, frito e servido nos pesque-pague com a polenta também frita, crocante, de amarelo clarinho, querendo disputar o tom com a cerveja. No sítio do Sérgio  aprendi a fazer o filé e a defumar o peixe, que segundo ele era o melhor depois do dele, pois como eu não era de lá e não ia concorrer ele me havia ensinado todos os truques para deixá-lo mais perfumado e com aspecto caramelado, entre outros segredinhos que não devo revelar, embora em tempos de internet todos descubram facilmente técnicas e maneiras.

Herculano, que ama pescar, em várias de minhas idas a Minas nos brinda com peixinhos, frutos de suas pescarias ou do tanque onde ele mantém em engorda aqueles que pesca e ainda não tem tamanho apropriado para consumo. Comemos fritinhos, bem torradinhos no fogão a lenha da roça, com limão, colhido do pé naquele instante. É de lamber dedos...

Na casa do beato José Maria, o peixe em geral é feito no forno e quando está quase assado é regado com leite de coco. Pelo menos foi assim que comi lá: corvina e pargo de primeira.

No boteco do pescador, Frávia e eu devoravamos corvinas fritas, e como apenas eu comia a cabeça do peixe, passava horas nessa lenta e prazeirosa ocupação. Com as mãos, sem me importar se o copo de cerveja ficara engordurado ou não, apenas em saborear o prato, mãos lava-se depois. 

Quando Sílvia era diretora da Cinemateca fomos conhecer seu apartamento, que estava à venda e que acabamos comprando. Na resolução da compra,com certeza, teve peso o salmão com mel e mostarda, que nos foi servido de almoço, e que depois comprovei ser excelente tempero também com filé de pescada. Aliás, ali não era o caso, mas porque parte da classe média - e suas serviçais - insistem em falar “salmón”? Alguém explica?

E, como o texto não obedece à sincronicidade do calendário dos acontecimentos, demos então um pulo para mencionar as famosas (e deliciosas) sardinhas de Lisboa, na brasa, comidas com vontade em Alfama e ao som do fado... Ai, ai... E os carapaus, como o da foto ao lado, prestes a ser devorado por nosso tatuado vizinho? Para não falar dos bacalhaus que comi de todas as formas durante os vinte e poucos dias passados ali, abandonados apenas para provar o delicioso leitão, e na ocasião da feijoada que fiz em casa de Verónica (e antes que me corrijam os puristas em bom Portugues angolano o acento é de facto o agudo e não o circunflexo, ô pá!); e no jantar em que Vitor nos levou a um restaurante brasileiro... Mas o bacalhau com batatinhas tio João, produzidas por ele na quinta da Serra da Estrela e feito com capricho e carinho por Maria dos Anjos, “mullher a dias” de Fernanda, se não fosse citado eu mereceria ser levado por Hades ao ínferos agora mesmo. 

E o saborosissímo Muzunguê, feito por Verónica? Prato típico de Angola que leva  óleo de palma (semelhante a nosso dênde), peixe seco, peixe freco e que se come com pirão, mandioca e batata doce? Delicíosamente revigorante. E que nos foi explicado era servido ao final das festas para repor a energia gasta durante os bailes e não raro se começava tudo de novo. Foi mais ou menos assim a feijoada foi seguida pelo muzungue e o que começou as dez da manhã adentrou a madrugada e as duas deixamos os demais, que não sei dizer a que horas partiram.

 No aniversário do Marcello, final dos anos 1990, ele resolveu fazer um churrasco. Naquela noite memorável, conheci Mamoro, amigo dele, que tinha acabado de chegar do Japão; papo vai, papo vem, falou-se em sushi, sashimi e Mamoro, ao tomar conhecimento de que eu apreciava essas comidas, abriu-se em um enorme sorriso e confessou: tinha levado sua faca de filetar sashimi (fugu hiki) e também meio atum e meio salmão, fresquinhos, escolhidos por ele mesmo no Ceasa... Só que ninguém gostava e então ele nem tinha feito. Levou-me na hora pra cozinha, tirou facas, peixes, shoyo e wasabi. A festa ganhou nova temáticae mesmo Marcello, o aniversariante, que nunca tinha comido e não gostava, ao ver-nos a gana falou: “_Meu! vocês estão comendo com tanta vontade, que eu vou experimentar esse troço aí.” Foi o que bastou. O peixe acabou e Marcello aprendeu a gostar de sashimi. Tá vendo como é fácil fazer um japonês feliz?

Em Floriano, PI, era delicioso o escabeche servido no Flutuante, mas o último que comi decepcionou e há anos não volto a ele. Mas já falei em outros textos do melhor escabeche do mundo, no Alô Brasil em Parnaíba, como também falei das piabinhas fritas no flutuante do encontro das águas (Rios Poty e Parnaíba) em Teresina, então, “borá” adiante que os peixes são muitos e o texto se alonga - hora de encerrar antes de cansar quem chegou até aqui.

De onde vem este gosto pelos peixes? Talvez da época de minha gestação durante a qual, vindo minha mãe a São Paulo visitar meus tios, como conta, enjoara no avião e não suportara a comida do hotel em Santos. Indo à casa de meu tio Lourival, então à época o “tio pobre” - e esta história também está já citada no blog em textos antigos - meu primo Nilton chega com uma “enfieira” de cascudos (ou caris) voltando da pescaria no rio. Com eles, tia Maria fez um cozido, a comida mais deliciosa que minha mãe jamais comera. Já era eu dentro dela a aprovar a comida de tia Maria Klaus? É bem possível!


Fotos: Djair - Prato em porcelana – Enguia - Museu de arte antiga de Lisboa  
                     O carecão, vizinho de prédio, almoçava abaixo de nossa janela, à rua dos correeiros em Lisboa. Belo peixe.
                     Verónica prepara o Muzungue.

7 comentários:

  1. DJAIR
    que fome!!!!
    quero comer peixe!!!!
    bjs

    Ritinha

    ResponderExcluir
  2. Hummm, deu água na boca...

    ResponderExcluir
  3. Que texto gostoso de ler. Quando acabo fico babando. Não como carne na quaresma também, minha mãe me ensinou e até hoje faço de boa.

    Minha tia faz um pacu assado maravilhoso e esta semana na quarta feira estava inspirada e fiz uma bacalhoada, e me perguntaram já? Sim e o povo se acabou. Bem é isso.

    Carminha

    ResponderExcluir
  4. adorooo peixeeeeee :)

    ALAN COSTA

    ResponderExcluir
  5. Oi Dja!


    Quando iremos repetir aquela corvina hummmm! Bem fritinha hein, adorei o texto só para variar. bj Frávia

    ResponderExcluir
  6. Amo peixe!
    Gosto de todos os jeitos:assado,ensopado,frito..Amo cação,sardinha,tilápia,merluza,corvina,salmão..Olha,sou uma tragédia em escolha de alimentos,mas,em peixes,sou especialista.rs

    Beijão,Djair!Dani.

    ResponderExcluir
  7. Ai que delícia, ai que fome!!!! Comeria um pouco de cada um desses seus peixes... rsrs
    bjs

    ResponderExcluir