Curta a página no facebook

domingo, 30 de setembro de 2012

Mercedes Sosa, e a libertação dos povos da América Latina.

        Aquele dia à tarde nos reuníamos na casa de Marco, gim com coca-cola (naquele tempo eu ainda não sabia que era bem melhor com água tônica); o grupo era pequeno mas animado, o papo fluía solto e as risadas podiam ser altas e escancaradas tal como só fazemos quando realmente entre amigos, sem censuras ou controle. E assunto não nos faltava, entre petiscos e goles as narrativas frouxas se sucediam com viço. A varanda permitia que brisa fresca amenizasse o calor, e ali divertíamos nós, embalados por músicas que gostávamos, e uma hora Marco colocou um CD de Mercedes Sosa: àquele tempo era assim, Mercedes Sosa na casa de Marco, já na casa de Anna, ouvíamos Elis à beira da piscina e tomava-se whisky, que aliás nunca aprendi a gostar. Se era na casa de Otaviano, tomávamos vinho e ouvíamos a trilha de Blade Runner, na de Socorro Simone, na de Elizabeth Caetano, em casa era Cazuza, Legião Urbana e Marina, e assim nossa trilha musical era diversificada, e todos gostávamos das referências uns dos outros, bebíamos as bebidas que eram oferecidas, e variávamos comes, bebes e sons.

        Mas àquele dia era a ameríndia quem tocava nas caixas de som colocadas na varanda, onde nos espalhávamos na rede, nas almofadas, nas cadeiras, enfim... A voz forte embalava nossos comentários sobre ela, sobre sua oposição ao presidente da Argentina, seu país, Carlos Menem, que naqueles anos era paparicado por outra estrela, esta não da música, mas dos programas infantis, no Brasil, Xuxa, a quem ele também se derretia em elogios e segundo constava na época chegara a lhe propor casamento, mas enfim...

        
        Ouvíamos já a terceira ou quarta faixa do disco quando entra à varanda, saído de dentro da casa, o irmão de Marco, caçula, já temporão, devia ter seus 9 ou 10 anos e pergunta sobre a música: _Marco, isso aí que vocês estão ouvindo, isso é macumba em inglês, é?
E Marco: _Não, isso aí, é Mercedes Sosa!
_E ela canta assim desse jeito porque?
_Porque ela canta para libertar os povos da América Latina!
_Ah, entendi! E tu vai ser libertado, vai?
_Vou sim! - responde sorrindo!
_E o Zé Roberto, vai? - referindo-se ao irmão mais velho.
 _Ah, o Zé Roberto não vai não, porque ele não gosta das músicas dela...
Um instante de silêncio e o irmão caçula confessa:
_Xi, Marco, acho que eu também não vou ser libertado não...

 

6 comentários:

  1. BOM DIA QUERIDO DJAIR ......

    ....EU ACHO QUE SEREI LIBERTADO MAIS OU MENOS ...........KKKKKKKKKKKKKKKK

    ABS

    ALAN COSTA =]

    ResponderExcluir
  2. Entre suas músicas libertadoras e conscientes da realidade Mercedes Sosa La Negra, embala as mentes de quem quer fazer a diferença no mundo e libertar a América, assim como Caetano, Chico, Gil, Novos Baianos e porque não dizer Mutantes, Secos e Molhados!

    Podes não Libertar a América meu caro... mas liberas risos, elogios e reflexões daqueles que te lêem!

    Assim, me sinto livre para gargalhar, e refletir diante da sabedoria que discorres em verso e prosa!

    Abraço

    Rafinha

    ResponderExcluir
  3. Conheci Mercedes Sosa através de um professor de História.Lembro-me que ele era muito fã dessa cantora,sempre pedia para os alunos ouvirem suas músicas.Eu nunca dei a mínima.E,eis que um dia,mais precisamente,no último dia aula da minha turma do último ano do colégio,ele pede para que façamos um círculo e darmos as mãos e fecharmos os olhos,apaga a luz,liga o som e,uma voz muito incomum e profunda me arrebata,dizendo assim:
    Me gustan los estudiantes,porque son la levadura
    Del pan que saldrá del horno,con toda su sabrosura.
    Para la boca del pobre,que come con amargura.
    Caramba y zamba la cosa,viva la literatura

    Simplesmente,amei!
    E viva a América!Viva o povo brasileiro!Viva a liberdade!
    Beijão,Djair!Dani.

    ResponderExcluir
  4. Mei o texto me fez voltar as lembranças eu e minha Tia Amara que me apresentou Mercedes. Tinha um Cd da Beti Carvalho que cantava com ela.
    beijos Carminha

    ResponderExcluir
  5. A diferença é que lá em casa se tocava de tudo e a Mercedes com seu bumbo, poncho e conga também estava presente con los musguitos e tudo mais. Até hoje não sei como os visinhos não reclamavam...A visinha da frente ficava feito a namoradeira na varanda enquanto a Carly Simon rolava ... Obrigada Djair por compartilhar e assim permitir avivar a nossa memória também ... bons tempos! bjo

    ResponderExcluir
  6. Relembrar o passado é vivê-lo novamente...principalmente os bons momentos que passamos com pessoas queridas...
    Como sempre...Parabéns Djair!!!!!!!!!!!!!!!!!



    Alex.'. Araújo

    ResponderExcluir